Brasil-Estados Unidos: a decepção no G-20

0
0
0
s2sdefault


Símbolos de poder fascinam dirigentes, até os de regimes democráticos. A exclusividade ou a restrição de acesso a determinadas esferas caracteriza a uns a imponência necessária do exercício de altas funções, conquanto tal posicionamento represente visão imprópria da política contemporânea, por ser resquício do Antigo Regime, de onde se cria emanar de divindade a graça de governar.

Na cúpula do G-20 em novembro de 2011, a presidente Dilma Rousseff hospedou-se em tradicional hotel - o Carlton, projetado por Charles Dalmas - local onde ocorreu a primeira conferência da Liga das Nações - janeiro de 1922 - e se realizaram as filmagens do clássico Ladrão de Casaca de Alfred Hitchcock (1954) - http://www.carlton-cannes.com/en/our-history/.

No luxuoso estabelecimento, Barack Obama preferiu ocupar a suíte 523, a mesma do representante norte-americano noventa anos antes no histórico encontro de cúpula, o polêmico jornalista e editor George Harvey, embaixador junto à Grã-Bretanha.

Por ser coronel honorário da Guarda Nacional de Nova Jersey, o conservador diplomata teria a oportunidade de assessorar o governador Woodrow Wilson, com quem depois se desentenderia após a eleição presidencial de 1912.

A despeito da nonagenária efeméride da pioneira organização global, a destacada Cannes deveria ter sido evitada como sede da reunião das maiores economias mundiais, haja vista a inadequação do perfil da cidade – turismo de alta renda – para refletir debate sobre a persistência da crise planetária.

Destarte, município mais sóbrio, ainda que em território francês, poderia ter acolhido a cimeira. Por extensão, os governantes - malgrado a riqueza de suas sociedades, mas em consideração, por outro lado, a suas origens partidárias - poderiam ter se hospedado em alojamentos menos suntuosos, em observância à turbulenta fase.   

Naquela cúpula, a Grécia, ao acatar as severas recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI) para recuperar-se, não logrou êxito. Assim, sua situação preocupava a União Europeia (UE) diante do seguinte impasse: reconhecer o equívoco, porque aplicada a mesma prescrição para os demais membros, a possibilidade de obter-se resultado similar seria grande. Brasil e México acompanhavam a desordenada circulação das economias mais desenvolvidas em busca de alívio.

Todavia, diante disso, como proceder de outro modo sem desagradar de forma profunda o mercado. Eis o desafio da Alemanha, França, Itália e Espanha, as duas sob ameaça de perturbação na ocasião – manter a credibilidade perante a entidade metafísica mais poderosa da contemporaneidade. De início, todos reconheciam a necessidade de aumentar o valor do fundo europeu de estabilidade financeira, ao dobrá-lo.

De toda maneira, o encontro não chegaria a resultado agradável. Aos países deficitários do ponto de vista comercial, a recomendação foi a de poupar despesas governamentais; aos superavitários, a de estimular o consumo interno. O objetivo havia sido o de preservar a cotação do euro.

A participação ocasional do Brasil no movimento coletivo de salvação – temporária - da Grécia e, por conseguinte, de eventuais integrantes da União Europeia como Itália ou Espanha seria através dos BRICS.

Seus cinco representantes poderiam aumentar o valor das reservas do FMI, com o propósito de conceder empréstimos maiores no curto prazo. Sem essa medida, o recurso dos gregos, por exemplo, seria o de mais austeridade em troca da diminuição das dívidas. A presença brasileira foi coadjuvante, malgrado a retórica incisiva de cobrança, como a norte-americana, de ajustes aos europeus.  

No fim, a hesitação, de maneira que os problemas financeiros, apesar da iminência, seriam tratados em nova reunião, já não de mandatários, mas de ministros da fazenda e quejandos. Em continuidade da agonia, as descrentes populações da faixa europeia, outrora convictas do sonho neoliberal de prosperidade inexorável. 

Leia mais artigos do autor  

Virgílio Arraes

Doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

Virgílio Arraes

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados