Igor Fuser: 'A Globo é o principal agente da imbecilização da sociedade brasileira'

0
0
0
s2sdefault

 

 

A Rede Globo de Televisão está completando 50 anos de existência em abril de 2015. Este instrumento de manipulação da burguesia opera como o principal agente da imbecilização da sociedade brasileira no plano cultural, na opinião de Igor Fuser, jornalista e professor de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC (UFABC).

 

Em depoimento para o Diário Liberdade, ele afirma que o papel da Globo "é sempre o de anestesiar as consciências, bloquear qualquer tipo de reflexão crítica".

 

Para acabar com esse monopólio da mídia, Fuser acredita que é preciso uma verdadeira democratização das comunicações no Brasil, que "passa, necessariamente, pela adoção de medidas contra a Rede Globo".

 

Confira a seguir o depoimento do jornalista e professor Igor Fuser, sobre o papel histórico da Globo na política, na cultura e nas suas coberturas jornalísticas

 

A Rede Globo é o aparelho ideológico mais eficiente que as classes dominantes já construíram no Brasil desde o início do século XX. Substitui perfeitamente a Igreja Católica como instrumento de controle das mentes e do comportamento.

 

A Globo esteve ao lado de todos os governos de direita, desde o regime militar, no qual se transformou no gigante que é hoje, até Fernando Henrique Cardoso. Serviu caninamente à ditadura, demonizando as forças de esquerda e endossando o discurso ufanista do tipo "Brasil ame-o ou deixe-o" e as versões sabidamente falsas sobre a morte de combatentes da resistência assassinados na tortura e apresentados como caídos em tiroteios. Mais tarde, após o fim da ditadura, alinhou-se no apoio à implantação do neoliberalismo, apresentado como a única forma possível de organizar a economia e a sociedade.

 

No plano cultural, é impossível medir o imenso prejuízo causado pela Rede Globo, que opera como o principal agente da imbecilização da sociedade brasileira. Começando pelas novelas, seguindo pelos reality shows, programas de auditório, o papel da Globo é sempre o de anestesiar as consciências, bloquear qualquer tipo de reflexão crítica.

 

A Globo impôs um português brasileiro "standard", que anula o que as culturas regionais têm de mais importante:  o sotaque local, a maneira específica de falar de cada região. Pratica ativamente o racismo, ao destinar aos personagens da raça negra papéis secundários e subalternos nas novelas em que os heróis e heroínas são sempre brancos. Os personagens brancos são os únicos que têm personalidade própria, psicologia complexa, os únicos capazes de despertar empatia dos telespectadores, enquanto os negros se limitam a funções de apoio. Aliás, são os únicos que aparecem em cena trabalhando, em qualquer novela, os únicos que se dedicam a labores manuais.

 

A postura racista da Globo não poupa nem sequer as crianças, induzidas, há várias gerações, a valorizar a pele branca e os cabelos loiros como o padrão superior de beleza, a partir de programas como o da Xuxa.

 

O jornalismo da Globo contraria os padrões básicos da ética, ao negar o direito ao contraditório. Só a versão ou ponto de vista do interesse da empresa é veiculado. Ocorre nos programas jornalísticos da Globo a manipulação constante dos fatos. As greves, por exemplo, são apresentadas sempre do ponto de vista dos patrões, ou seja, como transtorno ou bagunça, sem que os trabalhadores tenham direito à voz. Os movimentos sociais são caluniados e a violência policial raramente aparece. Ao contrário, procura-se sempre disseminar na sociedade um clima de medo, com uma abordagem exagerada e sensacionalista das questões de segurança pública, a fim de favorecer as falsas soluções de caráter violento e os atores políticos que as defendem.

 

No plano da política, a Rede Globo tem adotado perante os governos petistas uma conduta de sabotagem permanente, omitindo todos os fatos que possam apresentar uma visão positiva da administração federal, ao mesmo tempo em que as notícias de corrupção são apresentadas, muitas vezes, sem a sustentação em provas e evidências, de forma escandalosa, em uma postura de constante denuncismo.

 

A Globo pratica o monopólio dos meios de comunicação, ao controlar simultaneamente as principais emissoras de TV e rádio em todos os estados brasileiros juntamente com uma rede de jornais, revistas, emissoras de TV a cabo e portais na internet.

 

Uma verdadeira democratização das comunicações no Brasil passa, necessariamente, pela adoção de medidas contra a Rede Globo, para que o monopólio seja desmontado e que a sua programação tenha de se submeter a critérios pautados pela ética jornalística, pelo respeito aos direitos humanos e pelo interesse público.

 

Originalmente publicado no Diário Liberdade .

Comentários   

0 #3 A mordaça vermelhaChauke Stephan Filho 03-05-2015 11:05
Sim, a televisora Globo serve para esconder o mundo, simulando que o revela aos seus telespectadores idiotizados. Entretando, que opção haveria? A mídia de esquerda, seu viés
politicamente correto também infantilizaria seu público. Não creio que Jandira Feghali fizesse a Globo mais livre e crítica como sua diretora de jornalismo. Jandira e W. Bonner igualam-se na correção política. Jandira tem a preferência dos censores de esquerda, e Bonner, dos censores liberais. Ambos me dão muita raiva.
Citar
0 #2 RE: Igor Fuser: 'A Globo é o principal agente da imbecilização da sociedade brasileira'mauricio 01-05-2015 21:21
Nossa , eu assisti a entrevista do Igor Fuser na Globonews e o professor da Usp penguntou-lhe
de que planeta você veio? foi hilário
Citar
0 #1 Rede Globo.Helio Jost 28-04-2015 19:47
E quando se fala em cumprir a Constituição e instituir o marco regulatório das comunicações, lá vem a imprensa com a velha e lavada resposta: CENSURA NÃO.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados