O impedimento que ninguém viu

0
0
0
s2sdefault

 

Ana Paula Oliveira é bandeirinha de futebol profissional.

 

Exatamente como se encaminhou para este trabalho, não sei. Se é competente no que faz, é provável. A marcação sobre as suas atuações é muito cerrada para permitir falhas grosseiras.

 

Mas isso não eximiu a bandeirinha de protagonizar alguns erros, que ficaram marcados. Quase todos, na realidade, foram a falha mais comum dos auxiliares hoje em dia: anotar um impedimento que não existia, em uma jogada que resultou em um gol decisivo.

 

Embora a orientação oficial da Fifa seja para, na dúvida, não levantar a bandeira, sabemos que na vida não é assim: ninguém quer correr risco na sociedade competitiva. E entre anular um gol legítimo ou validar um gol legal, o primeiro é bem mais fácil de esquecer.

 

E no entanto, o que não aparece nos gramados é que Ana Paula é antes um produto do futebol como negócio. Escalada como atração suplementar nas partidas, a bandeirinha acessou o terreno da celebridade no mundo do futebol. Na segunda divisão, é verdade, mas suficiente para fazer girar um negócio.

 

Rodando freqüentemente entre as mesas redondas de final de semana, faz circular sua personalidade como uma marca. Assim, a bandeirinha inaugurou seu site. Por esse caminho, tornou-se o primeiro árbitro nacional a fechar um patrocínio com uma grande marca esportiva. A bandeirinha tornou-se um negócio, e ninguém anotou impedimento.

 

O que se assinala na sua curta trajetória é a mercantilização do futebol cruzando as fronteiras do gramado.

 

Primeiro foram os técnicos, que se fizeram grifes praticamente.

 

Depois, ex-jogadores tomaram conta do jornalismo esportivo, desbancando a crítica em favor do prestígio.

 

Por fim, a onda recente são os técnicos ex-jogadores, alguns deles absolutamente inexperientes no métier, como o alemão Klinsmann e o brasileiro Dunga. Sua presença reafirma a noção do futebol atual como um agregado de celebridades. Está decretada a extinção do coletivo: é o fim dos times.

 

Quando a mercantilização atinge o árbitro, tornando ele próprio um ingrediente do espetáculo, significa que o futebol está deixando cada vez mais de ser um esporte para tornar-se entretenimento.

 

Concretamente, isto quer dizer que a lógica do entretenimento comanda o esporte, como no capitalismo a lógica do lucro comanda o trabalho. As decisões que o afetam são cada vez mais tomadas em função da televisão, por exemplo, do que da qualidade do jogo.

 

Se técnicos, comentaristas e até juízes são escalados em função de uma imagem rentável, que vende e convence, por que não a seleção?

 

Fábio Luís é jornalista.

 

Para comentar este artigo, clique {ln:comente 'aqui}.

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados