0
0
0
s2sdefault

A visita de Dilma aos EUA em 2012 não trouxe novidades de peso comercial nem atraiu a mídia local.

0
0
0
s2sdefault

Após um ano, a parceria entre a Embraer e a Sierra Nevada seria vitoriosa em novo certame do governo norte-americano.

0
0
0
s2sdefault

Aos países deficitários comercialmente, a recomendação foi poupar despesas governamentais; aos superavitários, estimular consumo interno.

0
0
0
s2sdefault

Com desembaraço, Dilma propôs somar-se aos esforços de Obama com o objetivo de ‘ordem internacional mais pacífica e justa’.

0
0
0
s2sdefault

Malgrado a expectativa, Washington desvalorizou a presença de Dilma em seu território, ao não conceder o caráter de visita de Estado.

0
0
0
s2sdefault

Se em três anos o democrata Barack Obama demonstrou interesse insuficiente à América Latina, o quarto não seria diferente.

0
0
0
s2sdefault

Manifestações presidenciais distintas, interesses também diferentes.

0
0
0
s2sdefault

Havia a perspectiva de parceria energética, através do Diálogo Estratégico de Energia Estados Unidos-Brasil.

0
0
0
s2sdefault

Pré-sal, etanol, Cuba e Síria eram alguns dos assuntos a serem tratados na diplomacia entre ambos os países.

0
0
0
s2sdefault

Menos burocracia no gigante do norte indicaria tratamento semelhante cá. Em 2017, as regras alteraram-se, mas de modo negativo.

0
0
0
s2sdefault

O Planalto contentou-se em seus contatos com a Casa Branca a anunciar suas quiméricas intenções de reversão do quadro comercial bilateral.

0
0
0
s2sdefault

Dilma, ao logo alterar a postura no tocante a direitos, aproximar-se-ia de Obama na retórica.