0
0
0
s2sdefault

PrivatizaçõesO estado de São Paulo deverá retomar, no início de 2008, seu programa de desestatização. Mateus Alves

0
0
0
s2sdefault
brasilmicroscopio.jpg"O país só tem competitividade em produtos agrícolas e minerais", diz o economista Reinaldo Gonçalves. Por Mariana Durão.
0
0
0
s2sdefault
Crise EUAOs EUA desfrutaram de inputs energéticos sem precedentes e o resultado são outputs de entropia também sem precedentes. Jim Kunstler.
0
0
0
s2sdefault
reais.jpgUm relaxamento na ortodoxia da condução da política monetária e fiscal pode trazer um impacto extremamente positivo sobre a perspecti de crescimento da nossa economia. Por Carlos Pinkusfeld Bastos
0
0
0
s2sdefault
Rio MadeiraSe não problematizarmos o perfil da demanda e o modelo de desenvolvimento, estaremos sempre à beira de um próximo apagão. Luis Garzon.

 

0
0
0
s2sdefault
EconomiaContribuiu para a fragilização financeira das economias ricas a taxa de juros extremamente baixa praticada nos EUA, que estimulou a procura por aplicações mais rentáveis e mais arriscadas. Jurandyr O. Negrão.
0
0
0
s2sdefault
CriseA crise financeira dos últimos dias pode ter uma dimensão menos visível à primeira vista, mas de efeitos mais prolongados. Artigo de José Luís Fiori.
0
0
0
s2sdefault
Usinas NuclearesCálculos feitos por técnicos do ONS indicam que o custo marginal médio para a expansão do sistema hidroelétrico é de aproximadamente R$ 80/MWh, enquanto o custo de geração de Angra III está em torno de R$ 144/MWh. Por Joaquim Francisco de Carvalho.
0
0
0
s2sdefault

bioenergiaEnergias alternativas têm escala insuficiente para um país com as dimensões do Brasil, diz Roberto D'Araújo

0
0
0
s2sdefault
CriseDiferentemente de abalos anteriores, esta crise teve seu epicentro no coração do sistema. É lá onde se deve buscar as razões da situação em curso. Por Raúl Zibechi.
0
0
0
s2sdefault
ImpostosO IGF incidiria em um percentual pequeno da população e contribuiria para a redução da carga tributária de setores produtivos. Roberto Saraiva.
0
0
0
s2sdefault
FMIEm virtude do papel histórico que o FMI cumpre, as novidades dele advindas sempre buscarão reforçar a perda da autonomia das políticas econômicas dos países membros periféricos. Artigo de Fábio Marvulle Bueno.