Edição 1009

  • Homenagem a Waldemar Rossi - guerreiro da classe trabalhadora

    altA coragem e determinação para levar até o fim suas decisões, a integridade e firmeza de sua atuação política e sindical, a personalidade forte e alegre compunham as características de um ser humano ímpar.

     

  • Morreu Waldemar Rossi

    altNesses tempos bicudos, com certeza o desaparecimento de Waldemar fará muita falta, muita falta mesmo, principalmente por sua capacidade de reflexão, disposição militante, caráter agregador e crença na humanidade.

     

  • A trajetória de um típico militante operário. Entrevista especial com Waldemar Rossi

    altEm 1979, como membro do comando da greve, acompanhou o assassinato do seu amigo Santo Dias. Na entrevista concedida, Rossi comenta a sua vida de militante, as principais lutas em que se envolveu e a relação com Lula.

     

  • Molenbeek: a cidade de todas as bombas do deus do dinheiro

    altPelas ruas de Molenbeek é possível ver sobretudo a segunda e a terceira geração dos imigrantes. Gerações perdidas, para sempre, confinadas entre “escolas-lixeira”, ausência de esperança e desemprego em massa.

     

  • Algo estranho na tragédia da ciclovia carioca

    altPista que desabou foi contratada por RDC — o regime de licitações em que Estado transfere às empreiteiras, além do dinheiro, o projeto e a própria fiscalização da obra.

     

  • Inteligência Ambiental - Festa do Umbu e da Vida em Uauá

    altParabéns à COOPERCUC, trabalho que mostra a beleza e a viabilidade do sequeiro nordestino, com a caatinga em pé, ambiente preservado e cheio de vida. O único caminho para os biomas brasileiros sobreviverem é o da “convivência”.

  • Dilma caiu: como ficamos com o PT na oposição?

    altNão se trata de propor um acolhimento do PT como partido de esquerda que volta ao ninho, até porque não acredito que possa ser tido como partido de esquerda, mas como uma estrutura útil, no Congresso e entre os movimentos a ele alinhados.

     

  • Carlos Giannazi: “a Assembleia Legislativa de SP não passa de puxadinho do Palácio dos Bandeirantes”

    altNão é só de educação que vivem os escândalos dos governos estaduais paulistas. O mesmo se denuncia no transporte, na segurança pública, no saneamento, na saúde e em tantas outras áreas. Pouco antes da ocupação da Alesp, o Correio conversou com Carlos Giannazi, professor e deputado estadual.

     

  • O que aprender com o filme As Sufragistas?

    altO filme conquista a plateia silenciando totalmente as vozes que de fato deram ao feminismo de todo o século 20 muito de sua força.

  • Cuidado com a virose infantil

    altDestacados dirigentes da “direita” do PT, que ainda mantêm certa hegemonia e foram responsáveis pela estratégia política que substituiu totalmente a luta social pela disputa e conciliação institucional, dão sinais de que estão sendo acometidos pelo “vírus infantil do esquerdismo”.

     

  • Açambarcadores dos lucrativos aeroportos receberam mais de R$ 10 bilhões do BNDES

    altAo privatizar os aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília, a então - e ainda - presidenta Dilma Rousseff declarou que passá-los para operadores estrangeiros tinha o objetivo de que os brasileiros adquirissem “capacidade de gestão”. Só assim, segundo ela, seria possível a “administração eficiente dos três aeroportos”.

     

  • Desafios da esquerda frente ao novo bloco de poder

    altOs trabalhadores e a população que mais demanda a ação do Estado e os serviços públicos vão perceber que o discurso da “salvação nacional” é pura engabelação. Os movimentos sociais populares e partidos de esquerda serão importantes ferramentas para a defesa da grande maioria do povo.

     

  • Instruções para piorar a educação pública brasileira

    altAs consultorias privadas (nacionais e estrangeiras) têm sido formuladoras indispensáveis de políticas para as secretarias estaduais de educação, garantindo tanto a privatização disfarçada do ensino público, quanto, claro, os seus próprios lucros.

     

  • Caso Parque Oeste: enfim, uma boa notícia

    altDesembargador Carlos Alberto, além dos seis militares são as próprias Operações Inquietação e Triunfo que devem ser julgadas e condenadas. O estado de Goiás, responsável das operações, não vai fazer isso. Daí a necessidade da federalização.

  • Joga pedra na Geni!

     

    altAs veias abertas do nosso país se devem ao fato de a nação não ter sido politizada ao longo dos últimos doze anos. Os movimentos sociais e suas mídias não foram valorizados pelos recursos do governo.