Edição 1028

  • Homenagem a Paulo Freire

     

     

    A Câmara dos Deputados realiza na próxima quarta-feira, 02 de maio, às 10 horas, no Plenário Ulysses Guimarães, Sessão Solene em homenagem ao filósofo e educador Paulo Freire (1921 – 1997). Exatamente nesta data completar-se-ão 10 anos de sua morte.

     

    A iniciativa, de caráter suprapartidário, de organizar o evento partiu dos deputados: Ivan Valente – PSOL/SP, Luiza Erundina – PSB/SP; Paulo Rubem – PT/PE e Chico Alencar – PSOL/RJ, que apresentaram, no início desta legislatura, requerimento solicitando a realização da Sessão Solene.

     

    Para o deputado Ivan Valente, homenagear Paulo Freire mais do que lembrar o ilustre educador brasileiro, reverenciado pelos vários cantos do mundo por suas idéias e contribuições teóricas-práticas nos diversos campos do saber, tem um sentido simbólico: “o de resgatar sua luta incansável por justiça social, através de um projeto de educação popular libertador, emancipador e transformador da realidade”.

     

    Já confirmaram presença a educadora Ana Maria Araújo Freire, viúva de Paulo Freire, os senadores Cristóvam Buarque – PDT/DF e Eduardo Suplicy – PT/SP, reitores e docentes de universidades, dirigentes de entidades representantes dos movimentos sociais, como o MST, e educadoras e educadores que tiveram suas vidas marcadas pela influência da obra e do pensamento freireanos.

     

    Com esta solenidade, a Câmara dos Deputados estará cumprindo o papel de homenagear no Brasil um dos brasileiros mais homenageados no exterior, com obras traduzidas para inúmeros idiomas, que firmaram sua imagem como um batalhador, que combinava tenacidade e ternura, da luta por uma sociedade mais justa, humana, fraterna e solidária e como radical defensor da ética na política.

     

    Maiores informações:

     

    Rodrigo Pereira:

    (61) – 3215-3716, 3215-5716 – 9236-8663 – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

     

    Marcelo Aguirre:

    (11) – 5081-7563, 5539-6204 e 9964-5035 – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

     

    www.ivanvalente.com.br

     

  • Plano de Desenvolvimento da Educação

     

     

    Em pronunciamento na Câmara no dia 25 de abril, o deputado federal pelo PSOL/SP, Ivan Valente, fez referências ao Plano de Desenvolvimento da Educação anunciado pelo ministro da Educação Paulo Haddad. Para Valente, “em resposta à grave situação em que a educação se encontra, os governos Lula, Serra e Kassab vêm adotando medidas, de cima para baixo, supostamente, em nome da promoção da melhoria da qualidade de ensino, sem consultar os principais envolvidos no processo educacional - professores, profissionais que atuam em nossas escolas e usuários, baixando pacotes, como fórmulas mágicas, como se isso bastasse para resolver os sérios problemas enfrentados cotidianamente em nossas escolas”.

     

    Segundo o deputado, o Plano de Desenvolvimento da Educação, PDE, é um exemplo disso. “A prioridade é o pagamento de juros e serviços da dívida pública e não o investimento real em educação. Ao invés de garantir políticas universalizantes, foca suas ações com base em critérios meritocráticos e em avaliações educacionais com caráter produtivista, vincula repasses de recursos ao cumprimento de metas, promete maior aporte financeiro aos sistemas e instituições que se adequarem aos pré-requisitos propostos (como avaliação dos professores), enfim, medidas que mais servem para justificar ações mais pontuais, em detrimento de políticas públicas estruturantes. Serve também para encobrir a insuficiência de recursos para a área educacional e a falta de implantação de um verdadeiro Sistema Nacional de Educação, ordenado e planejado entre as esferas de governo (...) Assim como no Plano de Aceleração do Crescimento, PAC, o PDE, anunciado com pompa e circunstância, dando ao povo brasileiro a ilusão de que agora vai, de que os problemas históricos da educação serão resolvidos, não se mexe no essencial, ou seja, no modelo econômico que impede o crescimento, que haja investimentos substanciais em educação, capazes de reverter o quadro histórico de desigualdade e de exclusão social”.

     

  • Devastação: Previdência

     

     

    O governo Lula deu várias demonstrações de que pretende ser o indiscutível timoneiro em um processo de "devastação" de direitos e do meio ambiente.

     

    O ministro da Previdência e ex-presidente da CUT, Luiz Marinho "tucanou" a reforma da Previdência, como diria o colunista da Folha de São Paulo, José Simão. Em entrevista a esse jornal, em 23/04, Marinho afirmou que é preciso mexer nas pensões concedidas por morte e no auxílio doença. Mas isso não é reforma, são "adequações", segundo ele. Para as jovens mulheres viúvas, de quem se pretende arrancar a pensão, o ministro deu a seguinte dica: arrumar outro casamento.

     

    O ministro diz também que a reforma mesmo seria de longo prazo, para as futuras gerações, não afetaria quem já está no mercado de trabalho, especialmente próximo de aposentadoria. Mas não fica nada claro a respeito de quem já entrou no mercado de trabalho há um, dois ou até cinco anos, ou seja, milhões de jovens trabalhadores e trabalhadoras. Estariam esses, além de conviver já com o emprego precário, incluídos ou excluídos na reforma de longo prazo do ministro Marinho? Francamente, enrolação pura do ministro, pois está em questão mesmo é a construção de uma duríssima reforma previdenciária, que começaria  com as "adequações" sobre direitos previdenciários adquiridos.

     

  • Devastação: FGTS

     

    A Câmara dos Deputados concluiu nessa semana as votações das Medidas Provisórias do PAC. A garfada no FGTS foi aprovada e foi ampliada a rede de isenções fiscais para investimentos privados em infra-estrutura (incluindo agora setor elétrico e de irrigação), e para os fabricantes de semicondutores e equipamentos para TV digital. O grande capital agradece o governo e a sua solícita base de sustentação na Câmara

  • Devastação: Meio Ambiente

     

    Um chefe da Polícia Federal foi nomeado por Lula para presidir o IBAMA, enquanto o governo faz enorme pressão para "destravar" a regulamentação de licenças na área ambiental, especialmente para a construção das duas hidroelétricas no rio Madeira, em Rondônia. Faz sentido. A política ambiental do governo Lula pode perfeitamente terminar em mais um caso de polícia...

    Enquanto isso, prosseguiram as ocupações de terra e os bloqueios de estradas dos movimentos de sem-teto. Mas, para esses milhões de brasileiros, os governos e o Congresso Nacional estão de costas.
  • A classe trabalhadora está dizendo não

    trabalhadoresEstamos diante de uma agenda de grande monta do capital, mas igualmente de uma possibilidade ímpar de construir uma resistência unitária da classe trabalhadora na mobilização direta contra essa agenda.
  • Um pouco de capitalismo

    reaisO capitalismo brasileiro não é igual aos capitalismos ianque ou francês. A forma como suas leis gerais atuam difere de país para país.
  • Todos eles

    SentimentosSentimento é confuso, não tem precisão na fronteira. Então quando transborda, o bom é irrigar toda a plantação. O coração fica fértil.
  • Por que Lula conversa tanto com a oposição?

    LulaHá quem diga que Lula quer governar sem oposição neste segundo mandato, daí a boa vontade com tantos de seus ferozes adversários. Não é bem assim.
  • Autocrítica

    aquecimento globalÉ preciso criticar a lógica inerente à economia da sociedade contemporânea, que está baseada na necessidade de crescimento contínuo e no aumento do consumo pelo consumo.
  • Primavera latino-americana

    Hugo ChavezAo contrário do que apregoa a mídia dos EUA, Chávez é o presidente latino-americano com menos poderes e mais cercado de dispositivos constitucionais limitadores de sua atuação.
  • Podres Poderes

    Lavagem de dinheiroA corrupção no andar de cima e a violência nas ruas são duas faces da mesma moeda.  A miséria material do povo e a miséria moral dos poderosos produzem a prevalência dos podres poderes.
  • Luzes para a educação

    Caderno e lápisFico estarrecido quando tomo conhecimento de que 34,6 mil escolas do ensino fundamental no Brasil não tinham acesso à energia elétrica em 2003. Como propagandear a “inclusão digital” se ainda nem superamos a fase da “inclusão elétrica”?
  • Primeiro de Maio Classista

     

    As atividades do 1º de Maio Classista, organizado pelas Pastorais Sociais, Sindicatos da Conlutas, da Intersindical, da Nova Central, pelo MST, MTST, Corrente Sindical Classista, e mais de uma centena de entidades e movimentos, terão uma série de atividades, todas na Sé:

    Dia 30 de abril: a partir das 10 horas, exposição político-cultural.

    Dia 1º de Maio:

    • Às 9 horas, Missa do Trabalhador, na catedral, celebrada por D. Pedro Luiz;

    • Às 10,00 horas, início das atividades na praça com uma encenação sobre as origens do 1º de maio;

    • Em seguida, atividade mostrando que a data está em constante construção, com muitos outros mártires, sejam da cidade ou do campo;

    • Atividade política de protesto contra as reformas da Previdência, trabalhista, sindical e tantas outras que contrariam os interesses dos trabalhadores e da Nação brasileira.

    • Defesa de um calendário de lutas unificadas contra as reformas neoliberais.


    As atividades serão animadas com músicas de protesto, cantadas por todos os presentes, num processo de interação entre a organização e os participantes. Não haverá shows, pois não estamos em festa. Haverá protesto e propostas de lutas.

    Encerrada esta parte, haverá uma caminhada até a Praça Ramos de Azevedo.

    Divulgue esta programação, participe, convide outros/as companheiros/as a participarem e a se engajarem nas lutas em defesa dos nossos direitos, conquistados com lutas e sangue de nossos mártires.

    NÃO DEIXE A PETECA CAIR! SEJA MAIS UM AGENTE DAS TRANSFORMAÇÕES TÃO NECESSÁRIAS À NAÇÃO BRASILEIRA.