Edição 1036

  • Professores da USP fazem abaixo-assinado

     

     

    Está em circulação um abaixo-assinado dos professores da universidade, com cerca de 300 adesões, a maioria deles docentes que atuam no campo das ciências humanas. Os professores rejeitam “qualquer ação violenta de desocupação do prédio [da Reitoria], tendo em vista a justeza da causa política dos estudantes em defesa da universidade pública”.
     
    Dentre os que assinam o documento estão intelectuais como os professores Antonio Candido, Alfredo Bosi, Chico de Oliveira, José Miguel Wisnik, Luiz Tatit, João Adolfo Hansen, Marilena Chauí, Franklin Leopoldo, Paulo Arantes, Olgária Matos, Maria Victoria Benevides e Leda Paulani.

     

    Publicamos a seguir o abaixo-assinado:

     

    “Nós, abaixo-assinados, professores da Universidade de São Paulo, unimo-nos a todos aqueles que, preocupados com a manutenção  e ampliação democráticas do ensino, pesquisa e extensão das universidades  públicas, têm empreendido lutas contra os decretos do  governo Serra, os quais inviabilizam a autonomia universitária.

    Requeremos, por isso, a reabertura das negociações com os estudantes e funcionários que ocupam a Reitoria da USP e refutamos qualquer ação violenta de desocupação do prédio, tendo em vista a justeza de sua causa política em defesa da universidade pública”.

    1. Adma Fadul Muhana ( FFLCH )
    2. Adrián Fanjul ( FFLCH )
    3. Adriane da Silva Duarte ( FFLCH )
    4. Adriano Aprigliano ( FFLCH )
    5. Adriano Scatolin ( FFLCH )
    6. Afrânio Mendes Catani ( F E )
    7. Alcides Celso Oliveira Villaça ( FFLCH )
    8. Alexandre Agnolon ( FFLCH )
    9. Alexandre Braga Massella ( FFLCH )
    10. Alexandre Hasegawa ( FFLCH )
    11. Alfredo Bosi ( I E B )
    12. Amaury Cesar Moraes ( F E )
    13. Amílcar Zani Netto ( E C A )
    14. Ana Cecilia Olmos ( FFLCH )
    15. Ana Fani Alessandri Carlos ( FFLCH )
    16. Ana Paula Pacheco ( FFLCH )
    17. Ana Paula Torres Megiani ( FFLCH )
    18. Andrea Cavicchioli ( EACH )
    19. Andrea Saad Hossne ( FFLCH )
    20. Angélica Chiappetta ( EACH )
    21. Antonio Candido de Mello e Souza ( FFLCH )
    22. Antonio Vicente S. Pietroforte ( FFLCH )
    23. Aparecida de Fátima Bueno ( FFLCH )
    24. Ariovaldo José Vidal ( FFLCH )
    25. Arlete Orlando Cavaliere ( FFLCH )
    26. Augusto Massi ( FFLCH )
    27. Beatriz Daruj Gil ( FFLCH )
    28. Beatriz Raposo Medeiros ( FFLCH )
    29. Benjamin Abdala Junior ( FFLCH )
    30. Betina Bischof ( FFLCH )
    31. Bruno Barreto Gomide ( FFLCH )
    32. Carla Roberta de Oliveira Carvalho ( I C B )
    33. Carlos Alberto Barbosa Dantas ( I M E )
    34. Carlos Alberto da Fonseca ( FFLCH )
    35. Carlos Alberto Fajardo ( E C A)
    36. Carlos Guilherme Mota ( I E A )
    37. Carlos Serrano ( FFLCH )
    38. Carmela Gross ( E C A )
    39. Carmen Sylvia Vidigal Moraes ( F E )
    40. Cecilia Hanna Mate ( F E )
    41. Celso Fernando Favaretto ( F E )
    42. Celso Frederico ( E C A )
    43. César Augusto Minto ( F E )
    44. Chico Oliveira ( FFLCH )
    45. Cilaine Alves Cunha ( FFLCH )
    46. Claudemir Belintane ( F E )
    47. Claudia Amigo Pino ( FFLCH )
    48. Cristiane Maria Cornelia Gottschalk ( F E )
    49. Cristina Altman ( FFLCH )
    50. Cristina M. Casadei Pietraróia ( FFLCH )
    51. Deize Crespim Pereira ( FFLCH )
    52. Denise Pimentel Bergamaschi ( F S P )
    53. Dilma de Melo Silva ( E C A )
    54. Dislane Zerbinatti Moraes ( F E )
    55. Doris Accioly e Silva ( F E )
    56. Doris Nátia Cavallari ( FFLCH )
    57. Ecléa Bosi ( I P )
    58. Edílson Crema ( I F )
    59. EDSON LUIS DE ALMEIDA TELES ( FFLCH )
    60. Edu Teruki Otsuka ( FFLCH )
    61. Eduardo Natalino dos Santos ( FFLCH )
    62. Eduardo Vieira Martins ( FFLCH )
    63. Eleutério Fernando da Silva Prado ( F E A )
    64. Elias Thomé Saliba ( FFLCH )
    65. Elie Ghanem ( FEFUSO )
    66. Elis de Almeida Cardoso Caretta ( FFLCH )
    67. Elisabetta Santoro ( FFLCH )
    68. Elizabeth Fujimori ( E E )
    69. Elizabeth Harkot de La Taille ( FFLCH )
    70. Elvio Rodrigues Martins ( FFLCH )
    71. Elza Assumpção Miné ( FFLCH )
    72. Emerson da Cruz Inacio ( FFLCH )
    73. Emir Sader ( FFLCH )
    74. Fabiana B. Carelli Marquezini ( FFLCH )
    75. Fábio de Souza Andrade ( FFLCH )
    76. Fernando Pinheiro ( FFLCH )
    77. Fernando Rodrigues Junior ( FFLCH )
    78. Filomena Yoshie Hirata ( FFLCH )
    79. Flavia Maria Corradin ( FFLCH )
    80. Flávia Schilling ( F E )
    81. Flávio Antônio Fernandes Reis ( FFLCH )
    82. Flávio de Campos ( FFLCH )
    83. Flávio Saes ( F E A )
    84. Flavio Wolf de Aguiar ( FFLCH )
    85. Francis Henrik Aubert ( FFLCH )
    86. Francisco Alambert ( FFLCH )
    87. Francisco Maciel Silveira ( FFLCH )
    88. Francisco Miraglia ( I M E )
    89. Francisco Sales Trajano Filho ( EESC )
    90. Francisco Segnini Jr. ( F A U )
    91. Francisco Vecchia ( E E S C )
    92. Franklin Leopoldo e Silva ( FFLCH )
    93. Gisele S. Craveiro ( EACH )
    94. Giuliana Ragusa de Faria ( FFLCH )
    95. Glória da Anunciação Alves ( FFLCH )
    96. Hélder Garmes ( FFLCH )
    97. Heloisa Buarque de Almeida ( FFLCH )
    98. Heloisa Fernandes ( FFLCH )
    99. Heloísa Pezza Cintrão ( FFLCH )
    100. Heloísa Zani ( E C A )
    101. Henrique Soares Carneiro ( FFLCH )
    102. Homero Santiago ( FFLCH )
    103. Ianni Regia Scarcelli ( I P )
    104. Ieda Maria Alves ( FFLCH )
    105. Iná Camargo Costa ( FFLCH )
    106. Iris Kantor ( FFLCH )
    107. István Jancsó ( I E B )
    108. Iumna Maria Simon ( FFLCH )
    109. Ivã Carlos Lopes ( FFLCH )
    110. Ivan Prado Teixeira ( E C A )
    111. Ivone Daré Rabello ( FFLCH )
    112. Jefferson Agostini Mello ( EACH )
    113. João Adolfo Hansen ( FFLCH )
    114. João Luiz Musa CAP ( E C A )
    115. João Paulo G. Pimenta ( FFLCH )
    116. João Roberto Faria ( FFLCH )
    117. João Sette Whitaker Ferreira ( F A U )
    118. João Zanetic ( I F )
    119. Joaquim Alves de Aguiar ( FFLCH )
    120. John Cowart Dawsey ( FFLCH )
    121. Jorge de Almeida ( FFLCH )
    122. Jorge Hajime Oseki ( F A U )
    123. Jorge Schwartz ( FFLCH )
    124. José Alcides Ribeiro ( FFLCH )
    125. José Antonio Alves Torrano ( FFLCH )
    126. José Antonio Pasta Jr  ( FFLCH )
    127. José Batista Dal Farra Martins ( E C A )
    128. José Flávio Motta ( F E A )
    129. José Horacio de Almeida Nascimento Costa ( FFLCH )
    130. José Jeremias de Oliveira Filho ( FFLCH )
    131. José Jeremias de Oliveira Filho ( FFLCH )
    132. José Miguel Wisnik ( FFLCH )
    133. José Moura Gonçalves Filho ( I P )
    134. José Sérgio Fonseca da Carvalho ( F E )
    135. Júlio Assis Simões ( FFLCH )
    136. Júlio César Suzuki ( FFLCH )
    137. Julio Groppa Aquino ( F E )
    138. Júlio Pimentel Pinto ( FFLCH )
    139. Laura de Mello e Souza ( FFLCH )
    140. Laura P.Z. Izarra ( FFLCH )
    141. Léa Francesconi ( FFLCH )
    142. Leandro de Lajonquière ( F E )
    143. Leda Maria Paulani  ( F E A )
    144. Leila Leite Hernandez ( FFLCH )
    145. Lenita Maria Rimoli Esteves ( FFLCH )
    146. Leon Kossovitch ( FFLCH )
    147. Leonel Itaussu Almeida Mello ( FFLCH )
    148. Leyla Perrone-Moisés ( FFLCH )
    149. Lighia B H Matsushigue ( I F )
    150. Ligia F. Ferreira ( FFLCH )
    151. Lineide Salvador Mosca ( FFLCH )
    152. Lisete R. G. Arelaro ( F E )
    153. Lucia Wataghin ( FFLCH )
    154. Luciana Maria Viviani ( EACH )
    155. Luís César Oliva ( FFLCH )
    156. Luís Fernando Angerami ( E C A )
    157. Luiz Claudio Mubarac ( E C A )
    158. Luiz Dagobert de Aguirra Roncari ( FFLCH )
    159. Luiz Recaman ( E E S C )
    160. Luiz Renato Martins ( E C A )
    161. Luiz Tatit ( FFLCH )
    162. Madalena N. Hashimoto Cordaro ( FFLCH )
    163. Mamede Mustafá Jarouche ( FFLCH )
    164. Manoel Mourivaldo Santiago Almeida ( FFLCH )
    165. Marcelo L M Pompêo ( I B )
    166. Marcelo Vieira Fernandes ( FFLCH )
    167. Marcia Arruda Franco ( FFLCH )
    168. Marcia Maria Arcuri ( M A E)
    169. Márcia Regina Berbel ( FFLCH )
    170. Márcia Santos Duarte de Oliveira ( FFLCH )
    171. Marco Francesco Buti ( E C A )
    172. Marcos Barbosa de Oliveira ( F E )
    173. Marcos César Alvarez ( FFLCH )
    174. Marcos Eugênio da Silva ( F E A )
    175. Marcos Napolitano De Eugênio ( FFLCH )
    176. Marcos Piason Natali ( FFLCH )
    177. Marcos Silva ( FFLCH )
    178. Marcus Mazzari ( FFLCH )
    179. Margarida Maria de Andrade ( FFLCH )
    180. Maria Alicia Gancedo Alvarez ( FFLCH )
    181. Maria Aparecida Baccega ( E C A )
    182. Maria Augusta da Costa Vieira ( FFLCH )
    183. Maria Cecilia Loschiavo dos Santos ( F A U )
    184. Maria Célia Paoli ( FFLCH )
    185. Maria Cristina Castilho Costa ( E C A )
    186. Maria Cristina Cortez Wissenbach ( FFLCH )
    187. Maria da Graça Jacintho Setto ( FE )
    188. Maria de Fatima Simoes Francisco ( F E )
    189. Maria Dora G. Mourão ( E C A )
    190. Maria Helena P. T. Machado ( FFLCH )
    191. Maria Helena Rolim Capelato ( FFLCH )
    192. Maria Laura Silveira ( FFLCH )
    193. Maria Ligia Coelho Prado ( FFLCH )
    194. Maria Lúcia C. Victorio de O. Andrade ( FFLCH )
    195. Maria Lucia Mello Oliveira Cacciola ( FFLCH )
    196. Maria Odila Leite da Silva Dias ( FFLCH )
    197. María Teresa Celada ( FFLCH )
    198. Maria Victoria Benevides ( F E )
    199. María Zulma M. Kulikowski ( FFLCH )
    200. Mariângela de Araújo ( FFLCH )
    201. Marilda Lopes Ginez de Lara ( E C A )
    202. Marilena Chaui ( FFLCH )
    203. Marília Pinto de Carvalho ( F E )
    204. Marilia Pontes Sposito ( F E )
    205. Marina de Mello e Souza ( FFLCH )
    206. Mario Miguel González ( FFLCH )
    207. Marisa Grigoletto ( FFLCH )
    208. Marli Quadros Leite ( FFLCH )
    209. Marta Inez Medeiros Marques ( FFLCH )
    210. Marta Kawano ( FFLCH )
    211. Marta Maria Chagas de Carvalho ( F E )
    212. Mary A. Junqueira ( FFLCH )
    213. Maurilane de Souza Biccas ( F E )
    214. Mayra Laudanno ( I E B )
    215. Michel Sleiman ( FFLCH )
    216. Miguel Alves Pereira ( F A U )
    217. Mirtes Regina Martins Fabiano ( F O )
    218. Monica Duarte Dantas ( I E B )
    219. Nádia Battella Gotlib ( FFLCH )
    220. Nair Yumiko Kobashi ( E C A )
    221. Neide Luzia de Rezende ( F E )
    222. Neide T. Maia González ( FFLCH )
    223. Nelson Schapochnik ( F E )
    224. Norberto Luiz Guarinello ( FFLCH )
    225. Olga Ferreira Coelho ( FFLCH )
    226. Olgária Chain Féres Matos ( FFLCH )
    227. Osvaldo Coggiola ( FFLCH )
    228. Otília Arantes ( FFLCH )
    229. Pablo Ortellado ( EACH )
    230. Paola Poma ( FFLCH )
    231. Paula da Cunha Côrrea ( FFLCH )
    232. Paulo Arantes ( FFLCH )
    233. Paulo Argimiro da Silveira Filho ( FFLCH )
    234. Paulo Daniel Farah ( FFLCH )
    235. Paulo de Tarso Presgrave Leite Soares ( F E A )
    236. Paulo Martins ( FFLCH )
    237. Paulo Teixeira Iumatti ( I E B )
    238. Pedro Paulo Chieffi ( F M )
    239. Pedro Puntoni ( FFLCH )
    240. Rafael de Bivar Marquese ( FFLCH )
    241. Raquel A Casarotto ( F M - FOFITO )
    242. Regina Keiko Obata F. Amaro ( E C A )
    243. Regina Pontieri ( FFLCH )
    244. Regina Salgado Campos ( FFLCH )
    245. Reginaldo Luiz Nunes Ronconi ( F A U )
    246. Regis Michel ( E C A )
    247. Renato da Silva Queiroz ( FFLCH )
    248. Renato Perim Colistete ( F E A )
    249. Ricardo Musse ( FFLCH )
    250. Rita Chaves ( FFLCH )
    251. Roberta Barni ( FFLCH )
    252. Roberto da Silva ( F E )
    253. Roberto de Oliveira Brandão ( FFLCH )
    254. Roberto Zular ( FFLCH )
    255. Rosa Ester Rossini ( FFLCH )
    256. Rosane de Sá Amado ( FFLCH )
    257. Rosângela Gavioli Prieto ( F E )
    258. Rubens Machado ( E C A )
    259. Ruy Braga ( FFLCH )
    260. Salete de Almeida Cara ( FFLCH )
    261. Samuel Titan Jr ( FFLCH )
    262. Sandra Guardini T. Vasconcelos ( FFLCH )
    263. Sarah Feldman ( EESC )
    264. Sean Purdy ( FFLCH )
    265. Sergio Buarque de Hollanda Filho ( F E A )
    266. Sheila Vieira de Camargo Grillo ( FFLCH )
    267. Solange Ferraz de Lima ( M P - U S P )
    268. Sônia Salzstein Goldberg ( E C A )
    269. Stéphane Rémy Malysse ( EACH )
    270. Suzana Salem Vasconcelos ( I F )
    271. Tania Celestino de Macêdo ( FFLCH )
    272. Telê Ancona Lopez ( I E B )
    273. Vagner Camilo ( FFLCH )
    274. Valéria Gil Condé ( FFLCH )
    275. Vânia Fernandes Debs ( E C A )
    276. Vera da Silva Telles ( FFLCH )
    277. Vera Pallamin ( F A U )
    278. Verónica Galíndez Jorge ( FFLCH )
    279. Vima Lia de Rossi Martin ( FFLCH )
    280. Vivian Urquidi ( EACH )
    281. Viviana Bosi ( FFLCH )
    282. Vladimir Bartalini ( F A U )
    283. Vladimir Safatle ( FFLCH )
    284. Wagner Costa Ribeiro ( FFLCH )
    285. Waldemar Ferreira Neto ( FFLCH )
    286. Waldir Beividas ( FFLCH )
    287. Walkyria Monte Mor ( FFLCH )
    288. Walnice Nogueira Galvão ( FFLCH )
    289. Yudith Rosenbaum ( FFLCH )
    290. Zenir Campos Reis ( FFLCH )
    291. Zilda Gaspar Oliveira de Aquino ( FFLCH )

     

  • Comunicado dos estudantes da USP à sociedade

     

     

    O Correio publica abaixo o comunicado à sociedade dos estudantes da USP que ocupam a reitoria da Universidade desde o dia 3 de maio.

     

    ***


    Os estudantes da USP que ocupam a reitoria desde o dia 03/05, reunidos  em plenária, decidiram vir a público prestar esclarecimentos com relação  às informações veiculadas na imprensa sobre o movimento, assim como  nossas resoluções sobre as reuniões propostas pela reitoria e a Polícia  Militar. Nosso movimento defende a educação pública contra os ataques do  governador José Serra e a conivência das reitorias das Universidades
    Estaduais paulistas. É por isso que somos contra os decretos assinados  pelo governador no início deste ano, que ferem não somente a autonomia  de gestão financeira, mas principalmente comprometem o caráter reflexivo  e crítico que deve caracterizar ensino, pesquisa e extensão, na medida  em que privilegiam as "pesquisas operacionais" - aquelas que favorecem o  lucro privado em detrimento dos interesses da maioria da população.

     

    Exemplo claro disto é a alocação da FAPESP na Secretaria de Desenvolvimento, separada das Universidades. Reiteramos que estes decretos vieram agravar o processo de sucateamento da educação pública, já manifestado nos vetos ao aumento de verbas para as Universidades.

     

    Ocupamos a reitoria em protesto contra seu silêncio e omissão, para sermos escutados e abrirmos o debate com a sociedade. Fomos acusados de "vândalos" e "violentos" por termos danificado uma porta. Violentos não seriam os governos que impedem a maioria da população de ter acesso à Universidade Pública, que é elitista e racista por responsabilidade dos mesmos que hoje nos criminalizam? Violentos não seriam os que têm punido juridicamente manifestações políticas, como esta ocupação? Violentos não seriam os que destroem a educação pública e reprimem os que querem defendê-la? Violenta não seria a polícia que reprime, dia a dia, a população pobre, negra, os trabalhadores e os movimentos sociais?

     

    Frente a toda essa violência, uma porta não é nada. José Serra nos chamou de "mentirosos e desinformados" e declarou que a autonomia não foi ferida. É um ataque lamentável, como os que ele mesmo desfere contra o ensino público e que devem ser repudiados pela população. A respeito da gestão das verbas da Universidade, Pinotti em entrevista à Folha de São Paulo declarou: "Suponha que haja um remanejamento maluco. Cabe ao governador
    dizer não". Isso fere claramente a autonomia, pois deixa a critério do governo o que é "maluco". E sabemos que "maluco" para eles é investir na Universidade Pública, gratuita e de qualidade.

     

    É falsa a afirmação de que somos contra a transparência das contas da Universidade. defendemos a publicização de toda a movimentação financeira interna da Universidade, o que também deve incluir as contas das fundações de direito privado, que usurpam o dinheiro e a estrutura da Universidade Pública para beneficiar um punhado de grandes empresas privadas e a burocracia acadêmica. Porém, a mera prestação de contas é insuficiente. A USP já disponibiliza os dados de seus gastos para toda a população
    na internet. O Siafem (Sistema Estadual de Controle e Registro de Gastos), ao contrário, não é aberto ao público (é necessária uma senha para acessá-lo, disponível apenas para o Judiciário e o Legislativo). O argumento da transparência é falso, trata-se de uma centralização das decisões e informações.

     

    O mesmo governo que se declara a favor da transparência não publicou a previsão e a arrecadação do ICMS dos meses de março e abril, argumento dado para a não definição do reajuste salarial dos servidores. E mais, queremos que o destino das verbas seja definido não somente por uma minoria de professores, como é hoje, mas democraticamente, pela comunidade universitária em diálogo com a população, para que não esteja de acordo somente com os interesses de uma minoria. Combatemos a concepção que trata como "privilégios" direitos sociais inalienáveis, como educação, saúde e previdência. O
    resultado deste processo é que direitos sociais que deveriam ser garantidos para todos são transformados em mercadoria que só alguns podem adquirir.

     

    É por isso que dizemos à população que o discurso do governo "contra o elitismo da Universidade" é oportunista. Não somos nem "privilegiados" nem "corporativistas". Defendemos a universidade dos ataques que vem sofrendo e lutamos para transformá-la, para que seja de fato pública, tanto em seu acesso e permanência à população que mais
    necessita, quanto no caráter do conhecimento nela produzido. É por isso que chamamos a sociedade para lutarmos juntos pela real democratização das Universidades Públicas.

     

    Frente a isso, declaramos que:

     

    1 - Apoiados por professores, pela Assembléia de estudantes e de funcionários da USP, dentre outros segmentos da sociedade civil, diversas Universidades e movimentos sociais reiteramos nosso repúdio a qualquer punição, seja ela de caráter administrativo ou judicial, contra qualquer integrante do movimento de ocupação da reitoria da USP, sobre o
    qual recaia qualquer implicação processual em razão deste movimento político.

     

    2 - Com relação à reunião com a PM: o que está sendo proposto não se trata de uma negociação. A única negociação possível é com a reitoria. Defendemos a autonomia da Universidade e negociar com a PM seria um ataque a esta autonomia que estamos defendendo. Por isso, não participaremos da reunião e mandaremos apenas representantes jurídicos para entregar oficialmente este comunicado e defender nosso movimento e
    nossas reivindicações. É importante lembrar que reintegrações de posse com uso de força policial não ocorrem na USP desde os obscuros anos da ditadura militar, quando centenas de pessoas foram presas e torturadas por lutar pela democracia na Universidade e no país. Não vamos compactuar com uma intervenção que reinstitui práticas ditatoriais e, se
    houver uso da força policial, resistiremos.

     

    3 - Com relação à negociação com a reitoria e nossa pauta: sempre estivemos abertos à negociação. Esperamos que a reitoria avance no atendimento às nossas reivindicações, que não são somente moradia e autonomia como a imprensa tem veiculado. Temos uma pauta com 17 pontos.  Esperamos que a reitoria avance com relação à proposta do dia 08/05, já rejeitada em Assembléia Geral dos Estudantes da USP, que contou com mais de 2000 estudantes.

     

    4 - Chamamos toda a população a participar das nossas atividades, pois nossa luta é em defesa da educação pública.

     

    Contamos com o apoio dos que se o opõem à repressão e defendem uma educação pública, gratuita e de qualidade para todos.

     

  • De volta às ruas e às manchetes

    O que aconteceu no dia 23 foi apenas um despertar - um despertar que revela, sem dúvida, a superficialidade do proclamado estado de satisfação da massa popular com as políticas assistenciais do governo.
  • Trabalhadores pedem justiça e Lula responde com o exército

    justicahomem.gifLula gostou da companhia daqueles que sempre detiveram o poder e não hesita em usar o autoritarismo para passar por cima do povo.
  • Corrupção sistêmica

    dinheirocorpomulher.jpgEm todos os escândalos, nos anteriores, nos que estão em curso e nos que virão, vige a mesma marca: a micro-política que sustenta a macroeconomia da exclusão.
  • 23 de maio: oportunidade histórica para a reaglutinação da esquerda

    23 de maio
  • Aborto: por uma legislação em defesa da vida

    jesusborboleta.jpg Ao longo da história, a Igreja nunca chegou a uma posição unânime e definitiva em relação ao aborto. Oscilou entre condená-lo radicalmente ou admiti-lo em certas fases da gravidez.
  • TV pública "pegou no breu" mesmo?

    MídiaApesar deste justificado otimismo, já que o Fórum superou todas as expectativas e teve amplo respaldo do governo, ainda há muitas dúvidas sobre o futuro da TV pública. Artigo de Altamiro Borges.
  • Hospital do Servidor Público: privatização?

     

    O governo do estado de São Paulo está programando terceirizar os serviços do HSPE (Hospital do Servidor Público Estadual). A transformação de trabalhadores em PJs (pessoas jurídicas) tem como um de seus resultados solapar as conquistas sociais dos trabalhadores do Hospital do Servidor Público Estadual, construído com o dinheiro arrecadado em holerite de todos os funcionários públicos do estado.

     

    O Correio divulga abaixo carta aberta do IAMSPE (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual), advertindo o público para a situação.

     

    *** 

     

     

    Caro usuário do HSPE, nosso paciente

    Pedimos sua atenção para os fatos que vamos expor:

    1. O hospital do Servidor é seu, pois é você que o utiliza e paga por ele (desconto de 2% no seu hollerith);

     

    2. Todos os nossos exames e procedimentos são reconhecidos pelo Ministério da Saúde e se caracterizam pela qualidade e confiabilidade dos resultados;

     

    3. O Governo Serra e a atual Administração estão tentando repassar vários setores do HSPE para empresas particulares (privatização da Informática, Laboratório Clínico, Anatomia Patológica, Fisiatria, Medicina Nuclear e outros);

     

    4. Na situação atual, quando você faz o seus exames de laboratório, culturas, líquor, sorologias ou biópsias de mama, útero, próstata, fígado, medula ou outras, você pode confiar nos resultados. Você e seu médico poderão confiar em resultados que vierem de empresas contratadas sem qualidade comprovada?

     

    5. Não se engane com promessas de poltronas estofadas, cafezinhos e ar condicionado. O que vale mesmo é a confiança nos resultados dos seus exames.

    PARTICIPE CONOSCO
    DIGA NÃO À PRIVATIZAÇÃO DO HSPE

    Maio/2007
    Entidades do IAMSPE

     

  • Comunidado de estudantes da USP

     

    O Correio publica, abaixo, o comunicado dos estudantes da USP, que se encontram em greve e ocupam a reitoria da universidade em São Paulo (SP).

     

    *** 

     

     

    O movimento dos estudantes da USP, que luta por uma universidade pública e de qualidade para todos, sofre ameaça de reintegração de posse com uso de força policial. O movimento foi construído, desde o início, sobre uma base democrática, tanto organizativamente quanto politicamente, já que nossas reivindicações são fundamentalmente voltadas ao bem público.

     

    A população do estado de São Paulo vem acompanhando um recrudescimento generalizado do uso de força policial por parte do governo Serra – tristes são os dias nos quais não se pode nem mesmo assistir a um show de rap na Praça da Sé sem temer ser atacado pela polícia.

    É também um tipo de violência quando, diariamente, o teto das salas de aula desaba sobre as nossas cabeças ou estas são inundadas, ou quando as salas estão superlotadas, quando há falta crônica de professores, quando o acesso à universidade é cada vez mais restrito e quando inúmeros outros problemas impedem nosso direito a estudar.

     

    Buscamos o diálogo com a reitora através de uma audiência pública para a entrega de nossa pauta de reivindicações. A reitora não compareceu e nossa entrada na reitoria foi barrada. Exercendo o pleno direito de manifestação, ocupamos a reitoria como forma de ato político de protesto e fomos, então, acusados de violentos.

     

    Reivindicamos a necessidade do diálogo com a reitora, Suely Vilela, para o atendimento de nossas pautas. Após apenas duas reuniões nos foi feita uma proposta insuficiente, que recusamos. Desde então o diálogo foi cortado unilateralmente pela reitora e agora querem usar de força policial contra os estudantes. Repudiamos veementemente todo e qualquer uso de violência policial e reiteramos que violentos são os que querem destruir a educação pública.

     

  • Resolução dos Funcionários da USP

     

    Publicamos, abaixo, o comunicado dos funcionários da USP sobre a ocupação da reitoria e sobre a situação de greve na universidade.

     

    ***

     

     

    Nós, trabalhadores da Universidade de São Paulo, nos incorporamos completamente à ocupação da reitoria da USP desde o início da nossa greve no dia 16/05, contra os decretos e todos os ataques do governo Serra ao funcionalismo, e em defesa da educação e dos serviços públicos.

     

    Diante da informação de que a cidade universitária possa ser sitiada a partir desta noite, de 18 de maio, comunicamos que nos mantemos abertos à negociação com a reitoria, entretanto decidimos em assembléia na manhã do dia 18 manter a ocupação e resistir de todas as maneiras a qualquer ação violenta a mando da reitora Suely Vilela e do governo do Estado.

     

    Chamamos a toda comunidade uspiana, funcionários, professores e estudantes e a todas organizações sindicais, políticas e sociais, que repudiam qualquer forma de repressão a se incorporarem à ocupação e virem à reitoria da USP o mais rápido que puderem, assim como a enviarem moções de repúdio ao gabinete da reitora da USP e à secretaria de segurança pública.

     

    Emails para envio de moções:

     

    Reitora da USP - Prof. Dra. Suely Vilela - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

     

    Secretaria de Segurança Pública de SP - segurançEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

     

  • UNESP/FATEC alerta governo de SP e reitoria da USP

     

    Publicamos, abaixo, a carta aberta dos estudantes da UNESP e das Fatecs sobre a situação na ocupação da reitoria da USP.

     

    *** 

     

     

    Desde o dia 03 de Maio, estudantes ocupam a reitoria da USP e agora se encontram em greve. Neste momento, a reitoria e o governo preparam a reintegração mediante uso da força policial.

     

    A ocupação da reitoria da USP representa a indignação dos estudantes das estaduais paulistas com a política do governador José Serra, além de tratar-se de um movimento legítimo e não de uma atividade criminosa, por isso conta com todo nosso respaldo e apoio.

     

    Por isso, nós estudantes da UNESP/FATEC queremos deixar bem claro: se houver qualquer forma de repressão a qualquer estudante, funcionário ou professor haverá um levante em todo estado com onda de ocupações e barricadas.

     

    Abaixo os decretos de José Serra!

     

    CEEUF – Conselho de Entidades Estudantis da Unesp/Fatec, Ourinhos 19 de Maio

     

  • Em defesa do IBAMA

     

     

    O Correio divulga a campanha em defesa do IBAMA, que está sendo veiculada pela página www.asibama.org.br

     

    *** 

     

    O Governo Federal encaminhou para o Congresso a Medida Provisória - MP nº
    366/07, que promove modificações na estrutura do Ministério do Meio Ambiente
    e do IBAMA. Saiba um pouco mais sobre essas mudanças e de que forma isso
    pode influenciar sua vida.

    O que muda com a Medida Provisória?


    A principal mudança promovida pela MP é a divisão do IBAMA, que é o órgão
    responsável pela gestão ambiental federal. Entre suas atribuições estão a
    criação e manutenção de parques, reservas e outras áreas protegidas, além de
    ações de educação ambiental, licenciamento e fiscalização. Com a MP, a
    gestão das áreas protegidas, incluindo sua biodiversidade e o uso desses
    recursos pelas populações extrativistas, passa a ser exercida por outro
    instituto.

    Isso é bom ou ruim?


    Isso é ruim. No meio ambiente as coisas estão interligadas. O sol é a fonte
    de energia que permite o crescimento das plantas, que servem de alimento
    para os animais, inclusive para o homem, que por sua vez depende de todo
    esse sistema equilibrado para sobreviver. O meio ambiente não pode ser
    fragmentado. Então, não é possível imaginar que vá existir o meio ambiente
    das unidades de conservação, o do licenciamento e o da fiscalização.

    Essa mudança tornará a gestão ambiental mais ágil?


    Não. A duplicação das estruturas irá aumentar a burocracia. Por exemplo, o
    licenciamento ambiental de um empreendimento, que atualmente tramita apenas
    no IBAMA, terá também que passar pelo novo instituto. Além disso, um novo
    órgão precisa de uma nova estrutura, de novos servidores, de novo espaço
    físico, aumentando os gastos públicos. Você já sabe quem vai pagar a conta.

    De que forma essas mudanças podem afetar sua vida?


    Todo mundo sabe que o planeta está passando por mudanças. Aquecimento
    global, tempestades, furacões, secas, enchentes, fome. Tudo isso é reflexo
    da forma irresponsável como estamos tratando nossos recursos naturais. Se
    não cuidarmos do meio ambiente agora, algumas coisas que hoje para nós são
    comuns, como beber uma água limpa, ver um pássaro ou contemplar uma
    floresta, talvez nossos filhos e netos não possam fazer.

    O que você pode fazer para mudar isso?


    Sua participação é fundamental. Leve essa discussão para sua rua, escola,
    igreja, associação. Converse com seus amigos. Pressione seus representantes
    políticos. Ligue para seu deputado. Somente uma sociedade unida poderá
    barrar esse processo e essa mobilização depende da atitude de cada um.

    VENHA ATÉ O IBAMA: converse com os servidores e saiba mais sobre o que está
    acontecendo ou acesse nossa página na internet: www.asibama.org.br.

    Aproveite para assinar a petição que está disponível no endereço
    http://www.PetitionOnline.com/amabi/petition.html.

    CAMPANHA EM DEFESA DO IBAMA - DIGA NÃO À MEDIDA PROVISÓRIA Nº 366/07

     

  • Lula defende reformas no CDES

     

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu no dia 17 de maio, ao abrir a reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), no Palácio do Planalto, a necessidade das reformas política, tributária, trabalhista e previdenciária em discussão em vários segmentos do governo e da sociedade civil.

     

    O presidente afirmou que a reforma da Previdência é necessária, mas alertou que deve ser elaborada para garantir a seguridade social às gerações futuras e não resolver problemas atuais. "A reforma da Previdência Social é necessária. Não vamos resolver o problema dela hoje não", disse.

     

    Lula destacou a importância de uma reforma trabalhista, já que, segundo ele, "o mundo do trabalho mudou" desde 1943, data da legislação ainda em vigor no país. "Longe de mim tirar direito do trabalhador. Se não puder dar, tirar não tiro", ressaltou.

     

    Sobre a reforma política, Lula disse que essa é adiada porque "todo mundo tem medo de reforma". E afirmou que o assunto não pode ser discutido apenas em época de eleição ou quando tem um "problema no país".

     

    "Mudança é complicado. Os partidos, às vezes, falam 'a mudança vai me prejudicar, a mudança vai atrapalhar'. Todo mundo sofrerá algum problema com uma mudança no começo. Mas ao longo do tempo, essa própria mudança, se for feita para melhor, ela vai criar as vantagens pela qual ela foi feita", disse aos conselheiros.

     

    Em relação à reforma tributária, o presidente destacou que não deve ser pensada de "forma corporativa", mas para ajudar os estados mais pobres e reduzir as desigualdades regionais. "Não haverá, da parte do governo, qualquer empecilho para que se vote a reforma tributária", garantiu.

     

    Veja abaixo a íntegra do discurso do presidente na 21ª reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social – CDES

     

    "Meu caro Walfrido,

    Meu Caro Tarso Genro,

    Meu caro Miguel Jorge,

    Meu caro Patrus, Márcio,

    Companheiros ministros,

    Conselheiros,

     

    Eu penso que todos estão percebendo que houve uma renovação no Conselho, com praticamente 50%, 46% de conselheiros novos. Houve uma distribuição mais equânime entre os segmentos sociais que fazem parte da sociedade brasileira, outras categorias entraram. Eu estou vendo aqui o nosso querido empresário de Uberlândia, o senhor Lair Martins, grande empresário da área de transportes. E está junto com quem vende para ele as coisas para ele transportar, o Abílio Diniz. Eu acho importante todas as centrais estarem aqui representadas, é uma alegria ter o Cândido Mendes conosco.

     

    Primeiro, quero agradecer aos companheiros que saíram. Uns saíram porque não podiam participar, outros porque não vinham nas reuniões. Eu quero assumir um compromisso com vocês, aqui. O César Alvarez, que é o homem da minha agenda, certamente está aí. Eu penso que as quatro reuniões ordinárias que vão ser feitas no Conselho, essas que vocês chamam de reuniões plenas, eu preciso colocar na minha agenda. Isso, como prioridade, para participar o dia inteiro da reunião, ouvir as pessoas. É porque eu saio daqui para atender pessoas que não são mais importantes do que vocês. Eu penso que é importante participar mais do Conselho. Então, Walfrido, é um compromisso de que eu participe das ordinárias com mais vigor para ouvir os debates das pessoas e aprender um pouco.

     

    A segunda coisa é dizer para vocês que eu concordo com o Paulo Godoy de que estamos vivendo um momento, eu diria, quase excepcional neste país. Não porque as coisas já estejam todas feitas e todas prontas, pelo contrário, temos muita coisa para fazer. Mas porque a situação do país nos permite, daqui para a frente, pensar em fazer aquilo que nós não conseguimos fazer no primeiro mandato. E aí entram os temas que foram abordados aqui, a reforma política. A reforma política não pode ser um tema que a gente discuta apenas quando acontece um problema ou em época de eleição. Nós temos vontade política, acho que o Congresso Nacional e os partidos políticos têm noção de que ela precisa ser feita. Eu penso que nós temos que ter a coragem de incentivar o Congresso Nacional com propostas, através do Conselho, a entrar nesse debate para que a gente tenha uma reforma política definitiva, que dê mais clareza e mais representatividade aos partidos políticos no Congresso Nacional, para que a gente fortaleça a democracia brasileira.

     

    A gente discute muito quando acontece um problema no país: “ah, precisa de reforma política”. Mas depois isso vai amortecendo porque todo mundo, na verdade, tem medo de reforma. Reforma é como mudar de casa, ou seja, você está habituado a morar numa casa e precisa mudar; a outra pode ser muito melhor, pode ser maior, mas você tem dificuldade de sair da casinha em que você está. Você está acostumado com o cheiro de mofo, você está acostumado com o banheiro entupido. Então, você não quer sair para uma coisa mais nova, você fica lá. Isso é tão verdadeiro que quando você tem uma área crítica em uma cidade, quando as pessoas estão morando em área de risco, quem já foi prefeito ou governador sabe, que a casa do vizinho caiu, o vizinho morreu e você tem muita dificuldade de convencer o outro – que será o próximo – a sair dali. Aconteceu um acidente grave em 2003, em Belo Horizonte, um pai que perdeu seis filhos, ele tinha ganho uma casa da prefeitura, ele foi para a casa nova, mas vendeu a casa nova e voltou para a área de risco de onde foi tirado. E aí aconteceu a chuva, morreram os seis filhos, a família inteira morreu. E não sei quem da prefeitura falou: “vamos processar o cidadão”. Meu Deus do céu, mais castigo do que perder a família inteira, não tem. Vai processar o quê?

     

    Então, mudança é algo complicado. Os partidos hão de falar “mas a mudança vai me prejudicar, a mudança vai atrapalhar, porque não sei das quantas”. Todo mundo sofrerá algum problema com uma mudança, no começo, mas ao longo do tempo essa própria mudança, se for feita para melhor, vai criar as vantagens para as quais ela foi feita. Portanto, Armando, você, não apenas como presidente da CNI, mas como deputado federal, por favor, faça essa bandeira da reforma política ser uma bandeira da CNI também, porque eu acho que é uma bandeira de todos. Podem crer que ela é necessária.

     

    A segunda questão, da infra-estrutura. Eu, de vez em quando, fico imaginando o que aconteceu neste país durante esses últimos 30 anos e, se nós imaginarmos que o único momento de investimento em infra-estrutura foi no governo Geisel, nós vamos imaginar quanto tempo faz que este país não tem projeto de infra-estrutura. Eu estou falando de 1975, portanto, nós estamos falando de 30 anos. Da forma que o Geisel fez, eu não sei qual era o critério de discussão naquela época, mas o dado concreto é que a reforma, os investimentos de infra-estrutura feitos naquele momento, foram a razão pela qual depois o Brasil entrou numa encalacrada, porque não tinha como pagar as dívidas contraídas.

     

    Por isso o PAC é uma novidade neste país. Certamente, Paulo, ainda estamos longe de atingir a perfeição, mas eu não creio que tenha havido algum momento no país em que um projeto de investimento em infra-estrutura foi tão bem pensado e tão bem arquitetado. E ainda estamos tentando aprender a aprimorá-lo. Se o PAC acontecer como eu estou prevendo que aconteça, parece pouco, mas eu vou falar, João Felício, em dólar. Parece pouco, mas cada vez que o dólar baixa um pouquinho, aumenta a quantidade de dólares que nós estamos investindo, ou seja, são praticamente 250 bilhões de dólares de investimentos em infra-estrutura. Não é pouca coisa, e também não é muita coisa. Não é aquilo de que o Brasil precisa, quem sabe o Brasil precisasse de muito mais. Mas dentro das possibilidades criadas pelo governo e pela sociedade brasileira é um investimento que, se acontecer do jeito que nós estamos pensando que vai acontecer, significa que nós, definitivamente, criamos uma parcela do empresariado, do governo e da sociedade, que serão pessoas especializadas em fazer com que as coisas aconteçam de verdade no país.

     

    Eu estou muito – e aí vale para os trabalhadores e para os empresários – satisfeito com o que aconteceu com o PAC até agora. Eu tenho dito para a Dilma, para o Guido e para o Paulo Bernardo: não fiquem quietos com a cobrança. A cobrança é necessária porque ela vai sempre alertando sobre o que a gente não fez ou o que a gente fez e as pessoas não compreenderam. É melhor estruturá-lo para que a gente, ao iniciá-lo, não dê o vexame que está dando o time do Corinthians, ou seja, que vá de vento em popa.

     

    Eu queria contar para vocês uma pequena coisa que está acontecendo no PAC. Há mais ou menos 20 dias eu sugeri à Dilma, numa reunião, o Márcio Fortes estava presente, que na discussão sobre saneamento básico e urbanização de favelas a gente não repetisse os erros históricos do Brasil, disponibilizar recurso para as prefeituras ou para os governos dos estados. Primeiro, a gente definiu atacar mais profundamente as regiões metropolitanas. Segundo, a gente resolveu, a partir do governo federal, fazer um levantamento de quais eram os grandes projetos a serem atacados.

     

    A partir dessa descoberta dos projetos pelo governo federal, nós convidamos aqui os governadores e os prefeitos de cada região metropolitana. Por exemplo, já houve duas reuniões com o governador de São Paulo e com os prefeitos, já houve reuniões com o governador de Minas e com os prefeitos, já houve reunião com o governador do Rio e com os prefeitos. Praticamente faltam seis ou sete estados. Está havendo com todos os governadores e com os prefeitos. Para quê? Primeiro, para que a gente descubra se tem projeto executivo de verdade. Se não tiver, nós estamos dispostos a aceitar o projeto básico e, se não tiver, nós estamos dispostos a ajudar a fazer o projeto.

     

    Terceiro, nós não queremos que o dinheiro se disperse, porque você fica dando 500 mil para um lugar, 30 mil para outro lugar, 20 mil para outro lugar, aí, quando você vai ver o conjunto da obra, não tem obra. É como se você fosse fazer uma pintura e colocasse um pouquinho de tinta em cada ponta de uma madeira ou de uma parede. Então, o que nós queremos é concluir a obra pegando as coisas mais importantes em cada cidade, para ali a gente concluir. Por exemplo, em vez de pegar 300 milhões de reais e dividir em 30 favelas, nós pegamos o Complexo de Manguinhos e o Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, e vamos gastar logo o dinheiro todo ali, para resolver definitivamente aquele negócio. E assim vale para São Paulo, porque ao longo do tempo a irresponsabilidade foi tomando conta. Em São Paulo nós temos de 35 a 40 mil pessoas morando em áreas de manancial, onde não podem morar. Mas as pessoas estão lá há muitos anos. Como tirá-las? É possível tirar ou é possível a gente resolver o problema sem tirar as pessoas de lá?

     

    Então, estamos fazendo isso para que a gente pegue os 40 bilhões de reais que temos para investir em saneamento básico e, ao chegar ao final de 2010, eles estejam gastos. O que acontecia antes? Você liberava o dinheiro, eu fazia um ato aqui no Palácio, anunciava a governadores, prefeitos: disponibilizados 6 bilhões. Chegava o final do ano e, do disponibilizado, quanto tinha sido liberado? Trezentos, 400 milhões. Por quê? Porque não tinha projeto executivo. Depois, tinha uma coisa que todos vocês sabem, o Paulo Godoy conhece bem, chamada fila burra. Uma fila que foi criada para não liberar dinheiro, entravam todos os prefeitos para pedir dinheiro, o primeiro da fila não tinha direito porque não tinha projeto, mas não o tiravam da fila para os outros não pegarem o dinheiro. Então, nós precisamos da ajuda de vocês sobre como a gente deve gastar corretamente o dinheiro que foi disponibilizado para o PAC, para que a gente se sinta estimulado, para daqui a uns dois anos estarmos pensando num outro PAC ainda maior, ainda mais vigoroso do que esse que nós estamos construindo hoje.

     

    Quero dizer para vocês que eu estou muito otimista, e acho que nós vamos chegar ao final do mandato com o PAC, certamente, bem construído e eu penso que vai ser importante. A questão da reforma tributária, o Rigotto disse muito bem. Não é a primeira vez que a gente está quase no ponto de votar uma reforma tributária e não vota. Não vota porque tem momentos políticos importantes. No ano que vem tem eleição para prefeito. Muitos legisladores serão candidatos a prefeito ou terão candidatos a prefeito. Então, se você não toma cuidado, se depender do discurso contra a reforma tributária, o cidadão fala: “bom, nós não podemos votar agora porque tem eleições no ano que vem e eu não vou me prejudicar na minha eleição.” Eu quero convocar vocês, e não tenho dúvida nenhuma, convocar a sociedade brasileira, de que nessa questão da reforma tributária nós não temos que pensar de forma corporativa, nós temos que dar uma chance ao Brasil. O Brasil está precisando que a gente dedique um pouco de tudo o que a gente sabe para este país ser pensado para os próximos 30 ou 40 anos. Se não tiver reforma tributária, a gente vai viver vendo isso ser motivo de discurso em toda campanha, em toda palestra. Tem gente que tem até escritório para dar palestra sobre reforma tributária. Às vezes, eu tenho a impressão de que as pessoas não querem que aconteça.

     

    Da parte do governo, nós queremos dizer para vocês que essa comissão acertando, nós não teremos dúvidas, vocês têm a minha palavra de que não haverá, da parte do governo, qualquer empecilho para que a gente vote uma reforma tributária, levando em conta algumas preocupações que disse o ex-governador Rigotto. Nós temos que pensar nos estados mais pobres. E temos que fazer a reforma tributária levando em conta que você tem na própria reforma tributária ou em um fundo especial que possa canalizar, em função do grau de necessidade, para os estados mais pobres possibilidades deles se desenvolverem, senão o Brasil vai continuar desigual. E, continuando desigual, é ruim para todos nós e ruim para o próprio país.

     

    Como desenvolver mais a região Norte, a região Nordeste, como não permitir que um estado como o Rio Grande do Sul, que atingiu um estágio de desenvolvimento extraordinário durante todo o século XX, agora sofra um processo de descenso? Eu até conversei com Nelson Sirotsky, ontem, e disse: a Dilma vai te ligar. Nós precisamos reconstruir um grupo de trabalho que tínhamos para pensar como fazer para não deixar o Rio Grande do Sul retroceder, mas aproveitar que é um estado bem-estruturado e fazer com que ele tenha crescimento. Até porque estamos brigando para fazer o Nordeste crescer e não podemos permitir que um estado que já cresceu venha a retroceder agora. Então, isso é um desafio.

     

    Veja qual é a vantagem que o Conselho tem hoje, Walfrido. O Conselho, ganhou uma certa confiança do próprio Congresso Nacional. Vocês estão lembrados que quando nós inauguramos o Conselho, em 2003, tinha uma desconfiança: “ah, mas o Presidente está criando um Conselho para competir com o Congresso, o Conselho vai fazer o papel do Congresso”. Esses argumentos sem pé e nem cabeça foram criando uma desconfiança. “Por que o presidente Lula está chamando os conselheiros, ele quer passar por cima das instituições?” Não. É que o governo entendeu que seria importante que a sociedade brasileira, que tem um papel de transformar em lei, pelos deputados federais, tem que ter também o papel de fazer o debate com os segmentos da sociedade organizada. Eu estou convencido de que nós precisaríamos preparar as reformas para fazer agora.

     

    Quando a gente discute a reforma trabalhista, quando a gente discute reforma na Previdência, eu sei como funciona a cabeça dos companheiros dirigentes sindicais, eu tenho clareza de como funciona. Agora, eu quero discutir, quero um espaço para discutir. Eu quero saber qual é a contrariedade, aonde é que você está mexendo nas coisas, porque senão, meu caro, nós pagaremos o preço quando a gente estiver velhinho. Quando a gente estiver sentado numa cadeira, com a dentadura de baixo mordendo a de cima, vai estar o nosso neto ou filho do nosso lado, reclamando das coisas que eles não têm porque nós não tivemos coragem de fazer. Nós temos que aproveitar o momento político para fazer essas coisas.

     

    O Pettinha sabe, e ele sabe que eu sou agradecido à UNE, porque durante um tempo houve uma desconfiança quando a gente falou do ProUni: “porque vai colocar dinheiro nas universidades particulares”. Não é isso, Petta? Depois de muitas conversas, os companheiros da UNE assumiram a responsabilidade, foram para os debates, enfrentaram aqueles que já estavam na universidade e não queriam permitir que outros entrassem, e hoje o ProUni é um programa de extraordinário sucesso no Brasil. A UNE, eu penso que pela primeira vez, também, tem hoje representatividade na escola privada, coisa que não tinha porque era muito mais forte na escola pública.

     

    A reforma trabalhista. Ora, meu Deus do céu, longe de mim querer tirar direito de trabalhador, se eu não puder dar, tirar eu não tiro. Agora, não é possível que algumas coisas feitas em 1943 não precisem de mudanças em 2007, 2008. São 50 anos, o mundo do trabalho mudou, houve uma evolução nas condições de trabalho. Antigamente, quando eu ia a uma fábrica e falava “peão”, chamava “peãozada”, a “peãozada” delirava, aplaudia, porque era uma identificação. Hoje, se você for falar “peão”, os caras falam: “não sou peão mais não”. Os caras já fizeram universidade, já fizeram curso de especialização, já estão num outro patamar. As condições deles são diferentes daquelas que eu, particularmente, enfrentei dentro de uma fábrica.

     

    Eu acho que os dirigentes sindicais brasileiros evoluíram de forma extraordinária para pensar essas coisas, para debater e não ter medo de debater. Entre debater e fazer tem uma distância muito grande, mas é no debate que a gente descobre se é possível ou não. Eu me lembro, e aqui o Feijóo é o mais próximo, o Feijóo lembra, o Alemãozinho, vocês sabem, por exemplo, que era extraordinário, em 1978 e 1979, eu dizer: “o sindicato é um órgão de contestação”. Era o máximo. Depois de 30 anos, o que eu acho? Obviamente que o sindicato pode continuar contestando, mas na medida em que o mundo do trabalho de 2007 não é o mundo de trabalho de 1970, em que a tecnologia está ocupando um espaço extraordinário, nós temos condições de fazer algumas discussões que nós não podíamos fazer naquela época. Hoje, um companheiro dirigente sindical tem que conhecer muito mais coisas do que eu precisava conhecer. Eu só precisava xingar o governo. Como vocês não podem me xingar agora – pelo menos por companheirismo, vocês se resguardem – nós temos que ser produtivos e criativos, nós temos que tentar fazer o que é possível mudar para melhorar. Nós estamos aí com um exército de milhões de jovens, que é um estoque que este país, de forma irresponsável, deixou acumular nesses anos todos, temos milhões de jovens entre 15 e 24 anos querendo trabalhar. Como é que nós vamos dar emprego para eles? Aí os companheiros falam: “não, não pode ter um contrato especial porque vai precarizar, ele vai ser um trabalhador diferente”. Tudo bem, trabalhador diferente ele já é quando ele está na rua, sem trabalhar.

     

    Se nós tivermos condições de criar mecanismos para que esse cara entre, como se nós estivéssemos criando... quer dizer, como colocar? Se for esperar a economia crescer, sabe o que eu penso? Quando eu comecei a fundar o PT, de todas as coisas que a gente falava, os caras diziam: “vamos esperar o socialismo”. É verdade, havia quem quisesse que eu não disputasse mais eleições, que era preciso organizar a sociedade durante 30 anos, e 30 anos depois a gente ia ter 30% da sociedade socialista, e eu já teria uma base para disputar as eleições. Eu falei para o cidadão: escuta aqui, e se eu morrer antes? Eu vou disputar a eleição. E estou aqui.

     

    Então, companheiros, o que eu quero é que nessa boa provocação, a gente não tenha medo. A reforma da Previdência Social é necessária e nós não vamos resolver os problemas dela para hoje não. Mas qual é a Previdência ou sistema de seguridade social que nós queremos para daqui a 20 ou 30 anos? Alguém pensou por nós, muitos aqui não estavam nem vivos quando foi pensado o sistema de seguridade social, nós o herdamos. Agora, nós teremos condições de aprimorar alguma coisa, de fazer alguma coisa a mais? Então, qual é a preocupação do debate? Nenhuma, e eu penso que a gente deve fazer o debate com a cabeça muito aberta, sem dogmas, sem medo, sem aquele negócio de que “isso me prejudica”. Nós precisamos pensar no que vai ser bom para este país.

     

    Veja, estou dizendo isso porque se a gente não fizer essas coisas e esse debate, a gente vai ficar um pouco, eu diria, defeituoso no nosso projeto. O segundo mandato só tem sentido para isso, para a gente fazer as coisas que não foram feitas no primeiro, e muitas não foram feitas porque não podiam ser feitas e porque não era o momento de serem feitas. Vocês já viram pessoas que são internadas com um tumor e os médicos comunicam “olha, tem um tumor, é maligno, eu não posso tirar, ele tem que ficar. Eu vou fazer um dreno, vou tirar o líquido toda semana mas, se eu tirar, você morre”.

     

    Todo mundo sabe o sacrifício que todos nós aqui fizemos para chegar à situação de hoje. E nós temos problemas para resolver? Temos. Eu sei que nós precisamos encontrar uma solução para algumas coisas, para o câmbio, por exemplo. Mas, qual é a situação de hoje? Há cinco anos, o governo precisava correr, todo final de ano, para pegar uns míseros dólares para resolver as suas contas. Hoje, o nosso problema é excesso de entrada de dólar, lembrando que os juros de hoje estão mais baratos do que os juros daquela época. Então, não era só a questão de juros que fomentava a entrada de dólares. Nós temos que nos preocupar com as empresas brasileiras. Tem setores que vão perdendo competitividade, nós temos que cuidar. A gente não tem que ter medo de dizer que é nacionalista, não. Não tem que ter dogma, não. Isso não é um nacionalismo arcaico, não. Ter uma indústria têxtil produzindo aqui no Brasil é condição sine qua non para se ter aumento, para ter trabalhador trabalhando, garantir a nossa empresa de sapatos, a nossa empresa de móveis. Agora, é preciso que a gente faça política mas, ao mesmo tempo, a gente convença o empresário de que ele precisa investir em inovação na sua empresa, porque uma das formas de ser competitivo é ter investimento em tecnologia, ser competitivo na qualidade.

     

    Então, o Brasil está pronto para isso. Está preparado como nunca esteve. E eu penso que é nisso que o Conselho pode dar uma contribuição extraordinária. Vejam o avanço do Conselho: até a Previ está presente aqui no Conselho, até os fundos de pensão, o poderoso fundo de pensão do Banco do Brasil. Então, eu acho que as coisas estão colocadas.

     

    Queria dizer, Walfrido, que não deve ter tema proibido para o Conselho. O Conselho é como se fosse uma espécie de caixa de ressonância da sociedade, mais estruturada, que a gente chama de sociedade organizada, ou seja, vocês não estão dispersos. E outros temas que nós temos que discutir. Não tem que ter tema proibido. Eu fico feliz, primeiro, com os companheiros e companheiras que resolveram continuar no Conselho. Algumas pessoas tiveram que sair, porque teve companheiro que entrou no Conselho e nunca veio. Isso é que nem ser diretor de sindicato e dirigente partidário. Nas convenções, os caras brigam, quebram mesa, cadeira, para participar da direção. Na primeira reunião, não aparece ninguém. E aí, durante o ano, de dez reuniões, faltam nove. Mas brigaram para ser. O Conselho, para mim, é uma coisa sagrada, é uma experiência que, se a gente consolidar, qualquer governo que vier depois pode não ter vocês, mas, certamente, não terá condições de prescindir do Conselho.

     

    Estou feliz porque tem uma maior representação, também, dos trabalhadores, estava um pouco desbalanceado. No Conselho, o Feijóo vai aprender a vir de gravata, algumas vezes que forem necessárias. Vocês também. O Artur já está equilibrado. Então, eu estou feliz, gente. Eu tenho tentado passar para a sociedade brasileira o momento que o Brasil vive. Eu tenho tentado passar esse otimismo 24 horas por dia. Estou vendo aqui a Bolsa de Valores. Vejam como as coisas mudaram. Para eu passar na frente da Bolsa de Valores, na campanha de 2002, era preciso conversar com o Sérgio Roger, com o Berzoini, com os bancários, para juntar um pouco de gente, porque o medo que eles tinham de mim era um negócio maluco. Até que, um dia, me levaram lá. Depois de muita labuta, eu consegui entrar na Bolsa de Valores. Hoje, a Bolsa de Valores deve, publicamente, sempre que puder, agradecer tudo o que foi feito neste governo para chegar à situação extraordinária em que está hoje. Hoje, ela está parecendo uma bolsa mesmo, porque tem volume. Não é aquela bolsa pequenininha, que parecia um enfeite. Hoje você pode falar “Bolsa de Valores”, porque ela tem grandeza para isso. E, também, venceu os preconceitos que tinha. Eu não sei se as parcerias com os trabalhadores foram feitas.

     

    Então é isso, Walfrido. Você percebeu que eu não li o discurso que você preparou para mim. Não li, porque eu ia repetir o que você já falou. Mas quero dizer para vocês que estou feliz, contem comigo. Essa é a importância, Patrus, do segundo mandato, é a leveza. Eu hoje estou, Rigotto, com 800 quilos a menos nas costas, só de saber que em 2010 eu não tenho que disputar nenhuma eleição. Então, eu não tenho adversário. Hoje eu só quero amigos, eu só quero construir. É verdade, é para isso que serve o segundo mandato. A gente aprendeu muito no primeiro. É tentar, agora, colocar em prática no segundo as coisas que precisam ser feitas no país. Essa é a minha disposição e quero dizer para vocês: contem comigo e parabéns a todos vocês".

     

    Fonte: Agência Brasil

  • Mídia chora pela RTCV venezuelana

    MídiaNo seu luto de autopreservação, a mídia hegemônica brasileira difunde versões das mais falsas e cínicas. A RCTV, que é hoje o principal “partido golpista da direita” da Venezuela, é apresentada como uma televisão neutra. Artigo de Altamiro Borges.
  • Seqüestrados & seqüestradores

    Prisões brasileirasA intromissão proconsular das câmaras da Globo no Galpão da Quinta, do presídio Evaristo de Moraes, mostrou que, no Rio de Janeiro, como no Brasil, os prisioneiros conhecem condições de vida que não podem sequer ser comparadas às pocilgas nacionais. Por Mário Maestri.
  • Uma resposta feminista à vinda do papa ao Brasil

    Direito ao abortoComo resposta a esta e outras recentes ofensivas ideológicas contra a autonomia da mulher, mais uma vez as feministas brasileiras e outros setores sociais articulam-se para defender uma de suas bandeiras históricas: a legalização do aborto.
  • TV pública não pode ser estatal e nem gerida pelo governo

    midia.gifEm entrevista exclusiva ao Correio da Cidadania, Jorge da Cunha Lima, presidente da ABEPEC (Associação Brasileira das Emissoras Públicas, Educativas e Culturais), fala sobre o Fórum Nacional de TVs Públicas.