Voto correto: Palestina (quase) na ONU

0
0
0
s2sdefault

Um dos escândalos da atualidade é a situação dos palestinos expulsos de suas terras pelo governo de Israel. Não há qualquer justificativa para essa política segregacionista. Aliás, ela só consegue sustentar-se porque Israel conta com o apoio incondicional dos Estados Unidos.

 

Os Estados Unidos querem ter uma cabeça de ponte numa região estratégica para sua dominação mundial. Entra presidente, sai presidente, e essa posição não se altera. Nem mesmo o reeleito Barack Obama, que tem se mostrado uma pessoa dotada do senso da justiça, conseguiu alterá-la.

 

É importante assinalar que, ao atribuir a responsabilidade da violência ao governo de Israel, estamos ressalvando que não é todo o povo de Israel que se coaduna com tal atitude para com os palestinos. É sabido que dentro de Israel há muita gente contrária à atitude do seu governo e disposta a devolver o território ocupado aos palestinos.

 

Há várias décadas, milhões de palestinos vivem em barracas, em uma área emprestada pela Jordânia. Não é difícil imaginar as dificuldades pelas quais passa essa população.

 

A causa palestina, que conta com a simpatia da opinião pública mundial, recebeu nesta semana um apoio importante.

 

Por significativa maioria de votos, foi concedida à Autoridade Palestina, que é o governo palestino no exílio, o estatuto de País Observador. Não é ainda a posição que precisa ser reconhecida, ou seja, a posição de membro efetivo com direitos iguais aos de todos os demais membros. Mas já é um avanço importante.

 

A nota interessante nesse assunto é a posição do Brasil. Recusando-se a fazer o triste papel de vaquinha de presépio, o Brasil votou a favor da proposta.

 

De parabéns o Itamaraty, que soube informar corretamente a presidenta Dilma, que por sinal teve o mérito pelo gesto de independência diante dos Estados Unidos e de solidariedade com os injustiçados.

 

É com gestos assim que o Brasil poderá conquistar respeito no âmbito internacional. E a Palestina seu direito à autodeterminação e território.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados