0
0
0
s2sdefault

altO Velho Chico definha a olhos vistos. Agora, os que se beneficiam do rio – setor elétrico, irrigação, agro e hidro negócios etc. – começam a sentir na pele o resultado do processo destrutivo. O futuro dessas atividades econômicas está atrelado inexoravelmente ao futuro do rio.

0
0
0
s2sdefault

altAproveitemos para ter mais elementos para revisar o modelo de desenvolvimento em voga, que dizima a nós e ao ambiente, espalha doenças, consome nossa água e emite gases que aquecem o clima. Tenhamos a coragem de dizer bem alto: adeus refinaria, e não volte!

0
0
0
s2sdefault

altEsta situação por que passa a população paulista e paulistana poderá se estender a outras regiões do país nos próximos anos, caso persistam a má gestão, o desperdício e a devastação de nossas florestas. É um alerta à questão da privatização dos nossos bens naturais.

0
0
0
s2sdefault

altO problema maior do Brasil nesse momento de diminuição das chuvas reside exatamente aí: para muitos especialistas estamos causando a “ruptura no ciclo de nossas águas”. Por um detalhe que merece atenção.

 

0
0
0
s2sdefault

altSe hoje a fome e a sede se deslocaram dos nossos sertões para o Itaim Bibi e outros bairros nobres de São Paulo – panelaço é uma forma de protesto de famintos e sedentos - e outras capitais, então, merecem todo respeito.  E merecem nossa solidariedade.

 

0
0
0
s2sdefault

altSem uma visão sistêmica do ciclo das águas e sem uma ética do uso da água que implique o cuidado dos mananciais, comprometeremos sempre mais o abastecimento humano, a dessedentação dos animais e os demais usos. O óbvio ulula.

0
0
0
s2sdefault

altEm um momento que deveria ser de amplo debate nacional sobre o Código de Mineração, assistimos, dentro de um cenário de seca sem precedentes no Sudeste brasileiro, a construção do mineroduto da Anglo American.

0
0
0
s2sdefault

altOs desenvolvimentistas apostam em mais do mesmo. Sinceramente, não percebo que governos, gestores e consumidores realmente compreendam a dimensão da crise e que as soluções passam pelas mesmas recomendações que cientistas, pesquisadores e ambientalistas fazem há mais de uma década.

0
0
0
s2sdefault

altO que fica evidente com a tragédia que se abate sobre mais de 110 municípios pernambucanos (2/3 do total), incluídos os da região metropolitana, é o descaso e a falta de responsabilidade socioambiental daqueles que ocupam cargos de governo.

0
0
0
s2sdefault

altPara nossa sorte – dos “comuns dos mortais” – um número crescente de “especialistas” e de “não-especialistas”, mundo afora (mais em outros países do que aqui no Brasil), está contando coisas que nos ajudam a superar nossas dúvidas e a começar a compreender o que se passa.

0
0
0
s2sdefault

altJá passou do tempo de utilizar a estratégia de somente contar vantagens sobre este empreendimento, e impedir a discussão crítica do modelo adotado, impondo esse modelo, pela força, como opção única.

 

0
0
0
s2sdefault

altO documentário “Entre a Cheia e o Vazio” é um recorte de uma batalha de sentidos em torno dos efeitos de larga escala produzidos pelas Usinas Hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira, o afluente mais caudaloso do Amazonas. Batalha que se intensificou com a chamada “cheia histórica” de 2014.