‘Nosso objetivo é começar a tirar blindagem do grande capital’

0
0
0
s2sdefault

 

 

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) demonstra grande preocupação com a escalada da repressão que as manifestações e movimentos têm sofrido, especialmente as mobilizações durante a abertura da Copa e a greve dos metroviários em São Paulo. “Nós queremos pegar a repressão aos metroviários, a repressão policial nas manifestações, unificar a pauta, e fazer um grande ato nacional”.

 

Diante do quadro político, as vias institucionais lhe parecem incapazes de realizar as transformações. “O MTST tem buscado construir uma relação cada vez mais firme com outras mobilizações populares de luta por moradia e movimentos sociais. Precisamos nos alinhar com sindicatos combativos, com movimentos por transporte”, aponta, ao enfatizar que o MTST não tem a pretensão de participar do processo eleitoral, e sim fazer pressão por fora.

 

A entrevista com Guilherme Boulos foi gravada pelo Coletivo Copa, iniciativa da Revista Vaidapé, que reúne meios de comunicação diversos para produção de conteúdo jornalístico durante o Mundial de futebol.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados