“Com o MAS, a Bolívia viu a vitória da vacina, da democracia e da soberania”

A ativista e comunicadora popular boliviana Dolores Arce fala nesta entrevista sobre a importante vitória do Movimento Ao Socialismo – Instrumento Político pela Soberania dos Povos (MAS-IPSP) nas eleições “subnacionais” – para governos e parlamentos estaduais e municipais - do começo de março e dos “desafios enfrentados pelo presidente Luis Arce, em meio à pandemia e à herança desastrosa deixada pelo desgoverno de Jeanine Áñez”.

Coordenadora técnica da Federação Departamental de Mulheres Camponesas Originárias Indígenas de Cochabamba Bartolina Sisa, ex-diretora-executiva do Centro de Produções Radiofônicas da Bolívia (Cepra) e ex-chefe das Rádios dos Povos Originários (RPOs) - vinculadas ao Ministério da Comunicação e operadas por organizações sociais e comunidades -, Dolores analisa o significado do MAS, que agora completa 26 anos.

Para a combatente, são três os eixos fundamentais que o país andino deve começar a priorizar: “o aprofundamento da democracia; a defesa da saúde pública, com o combate à pandemia por meio da vacinação massiva; e o avanço social, político e econômico com uma legislação de fortalecimento do Estado. Acredito que são os eixos que precisam ser trabalhados pelo nosso presidente e que tivemos avanços em todos eles”, concluiu.

Leia a entrevista a seguir.