‘Essa o Homer não vai entender’, diz convicto, antes de rifar reportagem que, segundo ele, o telespectador médio não compreenderia.

Em 2014, SP descobriu que água potável era uma fonte esgotável. Toda a cobertura da mídia se voltou contra o cidadão.

No Brasil, poucas vozes de juristas, políticos e intelectuais têm se manifestado sobre o risco da manipulação midiática para a manutenção e aprofundamento da ordem democrática e, consequentemente, para avanços nas reformas estruturais historicamente postergadas e que nos constituem como uma sociedade das mais desiguais do mundo.

Afinal de contas, o que será que está escrito em letras minúsculas nas últimas linhas dos termos de adesão do facebook e do google?

Ele questiona as urnas, mas não é sério. O vice dele fala em autogolpe e "branqueamento da raça", mas quem nunca?

Para inaugurar a nova página do Correio da Cidadania, conversamos com o jornalista e professor da ECA-USP Eugênio Bucci.

Para o leitor poder avaliar o que tento transmitir, sugiro a participação em um teste. Procure se lembrar de quando foi a última vez que você viu um sindicalista da ativa dando uma entrevista na televisão. Quando foi a última vez que você viu o representante de algum movimento social de esquerda sendo entrevistado?

A democracia existe no papel, mas não se realiza na prática. O artigo 220 da Constituição define que não pode haver monopólio ou oligopólio na comunicação social eletrônica. A Globo, no entanto, controla 70% do mercado, faturando sozinha mais do que todas as demais empresas de comunicação. Isso acontece porque o Congresso Nacional nunca elaborou leis definindo mecanismos que impedissem a formação de monopólio.,

Publicamos Editorial do Diplomatique Brasil, que convoca consumidores da mídia “alternativa” ao engajamento mais profundo.

Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.

Há muito por se elaborar e realizar, mas é animadora a constatação de que há uma geração inteira de jovens e inquietos jornalistas em sintonia.

A Rede Globo de Televisão está completando 50 anos de existência em abril de 2015. Este instrumento de manipulação da burguesia opera como o principal agente da imbecilização da sociedade brasileira no plano cultural, na opinião de Igor Fuser, jornalista e professor de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC (UFABC).