altA vigorosa vaga contestatória que despertou milhões de brasileiros a partir de junho tenderá a recrudescer. As razões se fundam na agudização das demandas populares e sociais e na total impossibilidade de o modelo econômico dar respostas consequentes aos protestos, mais do que justos, exigências de nossa Constituição. A agudização reivindicatória será alimentada pela realização da Copa do Mundo em nosso país, na conjuntura da disputa eleitoral presidencial e na possibilidade de a própria crise econômica se manifestar na oferta de emprego e na renda real dos trabalhadores.

 

altMarina Silva ou Eduardo Campos não apresentam – ao contrário do antigo PT – nenhuma alternativa programática ao modelo defendido pelos bancos e multinacionais. Entretanto, o “senso de oportunidade” de ambos – frente ao inevitável desgaste do governo de plantão – os faz tentar se apresentarem como alternativa para um país em crise.

altDe fato, as máscaras caem. E não são aquelas dos manifestantes, conforme os desejos dos parlamentares da Alerj. É apenas a desfaçatez dos dominadores, que mais uma vez mostram, sem puderes, a sua cara.

altA verdade, nua e crua, é que voltamos a ficar – tal e qual na República Velha – extremamente subordinados às ondas de expansão do comércio internacional e aos humores dos financistas mundiais.

altO consórcio é obrigado a partilhar com a União apenas a parte restante do óleo, que seria o “lucro líquido”, em petróleo. Importante destacar que os royalties serão em dinheiro e esse valor estará igualmente incluído como custo de produção.

altA suposta altivez do discurso de Dilma, na ONU, em menos de 24 horas, ficou desmoralizada por ela mesma, em seu patético apelo à plateia reunida pelo Goldman Sachs.

altO rei está nu. O que nos falta, contudo, é criar o consenso político necessário à consecução de um modelo econômico alternativo, revendo o conjunto de medidas que foi adotado pelos diferentes governos que, desde Collor de Mello.

altA elevação da taxa Selic é absolutamente inócua, a não ser que a dose altista na taxa básica de juros fosse de tal ordem que viesse a produzir uma brutal desaceleração econômica, de modo a deprimir o nível de consumo interno para um plano recessivo.

 

altFoi dada a largada da corrida eleitoral para o cargo de gerente da colônia Brasil. Dilma, Marina, Campos e Aécio procuram sinalizar posições simpáticas à comunidade financeira, representada pelos bancos e multinacionais.

 

altNão está mais do que passada a hora de o Estado, com a elevada carga de impostos paga pelos trabalhadores, assumir tarefas e investimentos necessários à garantia de um melhor padrão de vida aos brasileiros?

altImposturas sustentadas pelas classes dominantes, por seus meios de comunicação e por um leque de partidos corrompidos pelo grande capital, parecem não se coadunarem com o grito das ruas.

altO legado das propostas institucionais e transformadoras de Chávez aí está. Esperamos que o amadurecimento das lutas populares e de novas lideranças tenham a capacidade de transformar o que é hoje um sonho em realidade.