Correio da Cidadania

De 2015 a 2017, o diesel americano dobrou sua participação, de 41% para 82% do total importado pelo Brasil.

Vamos à agenda. A prioridade dos entreguistas e dos agentes estrangeiros é proporcional aos benefícios da consecução de cada objetivo.

Pinguelli toca no ponto crucial. O único centro de pesquisa brasileiro em eletricidade é da Eletrobras. Será privatizado também?

Um sexto do recebido pela venda da Nova Transportadora do Sudeste foi gasto em um trimestre com o aluguel dos próprios gasodutos.

A verdade é que o raciocínio do nosso economista neoliberal simplesmente confunde causa e efeito.

O desafio é construir uma unificação dos diferentes dispositivos numa Renda Básica que não tenha condicionantes.


Se falamos das informações de uma sociedade que voluntariamente as entrega, essa nova forma de riqueza deveria ser dela toda, não de poucos.

Não há substituto para o petróleo barato de produzir, mas ele acabou e a humanidade vive as consequências econômicas e sociais.

Desmonte do INPI e fim dos mecanismos legais que impunham um mínimo de transferência de tecnológica das grandes corporações.

Ex-assessor da Eletrobrás e crítico implacável da gestão dos governos petistas no setor, o engenheiro Roberto D’Araújo concedeu entrevista ao Correio da Cidadania e elencou diversas razões que explicam a destruição financeira da empresa.

O ministro borbônico age como mero serviçal dos interesses do mercado, do agronegócio, do capital e do sistema financeiro.