Correio da Cidadania

Um festival de horrores

 

 

Estamos vivendo um verdadeiro festival de horrores.

 

De um lado, um grupo de médicos brasileiros hostilizou seus colegas cubanos, que o governo contratou para prestar serviços em regiões desprezadas pelos nossos médicos, quando da chegada daqueles profissionais em Brasília.

 

Essa ignominiosa hostilidade revela um corporativismo inaceitável e esdrúxulo. Se os médicos cubanos irão clinicar em regiões pelas quais os brasileiros não se interessam, em que isto pode representar uma concorrência que os prejudica?

 

Ignominiosa também é a crítica que políticos e certos órgãos de imprensa vêm fazendo ao governo, por ter negociado com o Estado de Cuba a vinda desses médicos. O motivo de tal crítica é puramente ideológico. Em razão do seu anticomunismo ferrenho, não admitem que o povo possa ser efetivamente beneficiado com essa medida.

 

Ainda que não seja, obviamente, uma medida suficiente, e nem deva virar uma panaceia face aos problemas estruturais no setor de saúde, para o quais concorreram todos os últimos governos e governantes, é inconcebível negar que populações absolutamente desassistidas terão ganhos se puderem ser atendidas por um médico.

 

Além de ignominiosa, essa atitude é ridícula, porque usa uma argumentação insustentável para justificar sua crítica. Afirmam que os médicos cometerão erros de diagnóstico por desconhecerem o idioma dos pacientes e que a região a ser atendida não dispõe dos recursos mínimos exigidos para fornecer o necessário suporte aos médicos.

 

Ora, já são conhecidos casos no território brasileiro de médicos estrangeiros, entre eles os próprios cubanos, que têm se comunicado muito bem com populações locais, a eles cada dia mais gratas. Quanto às críticas relativas à falta de recursos mínimos para os médicos atuarem, não é preciso ser especialista para adivinhar que, se sem recursos é ruim, sem recursos e sem médicos é infinitamente pior.

 

Cabe ainda assinalar que a revolta repentina de políticos e editorialistas com aquelas que seriam relações contratuais de trabalho assemelhadas à escravidão, e também com o fato de que os cubanos não poderiam permanecer no Brasil ao final de seus contratos de trabalho, cheira no mínimo a oportunismo.

 

Mesmo que tal discussão possa obviamente proceder e fazer sentido em algum momento, ecoando vozes que já a levantam sem leviandade, não se vê paralelo dessa atual atitude revoltosa com a indiferença gritante frente às violações de direitos humanos e trabalhistas diuturnamente cometidas em nosso país – no qual ainda grassa o trabalho escravo em terras de conhecidos homens de negócio. Quanto à preocupação com o asilo aos cubanos ao final de sua temporada, vozes semelhantes jamais se levantaram para defender que Snowden, por exemplo, vítima de violenta caçada pelos EUA, venha para o Brasil.

 

O festival de horrores inclui, finalmente, a recente e inaceitável manutenção do mandato de um deputado condenado pelo Supremo Tribunal Federal.

 

Além de uma grave ofensa ao órgão supremo da Justiça brasileira, essa decisão cria uma situação verdadeiramente inadmissível. Que independência poderá ter esse parlamentar diante dos pares que o absolveram?

 

O gesto é tão absurdo que até parece ter sido tomado para justificar as marchas de protesto da juventude contra os abusos das autoridades públicas do país.

 

Não é possível aceitar tamanha velhacaria. É indispensável o manifesto público de repúdio a todas essas atitudes de desumanidade e arbitrariedade institucional.

Comentários   

0 #2 Vai BrasilLuis Ramirez 02-09-2013 15:53
Será assim enquanto formos mera colônia. Um motelzinho do capitalismo global, que entrega a preço de banana toda a riqueza natural de que dispõe, com grandes volumes de habitantes apolíticos babando ódio anticomunista.
É o que dá ter governo de "esquerda" que financia a ditadura da mesma mídia de sempre. Que não interditem a internet, algo do qual ainda não podemos duvidar, infelizmente.
Citar
0 #1 RE: Um festival de horrores: sim a Donadon, não aos Médicos CubanosRodolfo Segabinazzi 31-08-2013 17:00
• Agora, o pessoal se sofisticou. Quem não concorda com cotas para ingresso nas universidades, é racista. Quem acha uma barbaridade o burro do dinheiro que segue para ditadores africanos é, além de racista, um malvado incapaz de ser generoso com um continente ao qual tanto devemos. Quem, como eu, discorda totalmente do modo como foi levado adiante o Mais Médicos é preconceituoso contra os cubanos, pérfido com os brasileiros desfavorecidos, egoísta por ter todas as vantagens e não querer que outros também as tenham.
• Eu nunca imaginei, até hoje, o tamanho da ingenuidade política dos brasileiros. Essa medida provisória feita a toque de caixa tem apenas dois objetivos: calçar a candidatura do Ministro da Saúde para o governo do Estado de São Paulo e dispor de 4.000 CABOS ELEITORAIS para convencerem os eleitores das regiões aonde vão atuar a votar no PT. E fim. Aproveito para observar que a medicina cubana e seus profissionais tem sido muito bem avaliados por onde passaram. Se eles querem viver como franciscanos e tem fé na religião comunista é um direito que lhes cabe. O que não podemos é admitir a contratação de um exército com dinheiro público. O seu e o meu, o nosso dinheiro.
Para informação: esse senhor destacado na foto que circula no facebook sobre a vaia em fortaleza foi funcionário da SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, Coordenador geral de Imprensa de outubro de 2007 até maio de 2011 e atualmente trabalha na Organização Panamericana da Saúde - Brasília. (informação consta da sua página do facebook). Cláudio Eugênio é jornalista.
Citar