Correio da Cidadania

Um debate falso e atrasado

 

 

A decisão recente do Supremo Tribunal Federal de fazer com que se cumpram as penas do chamado ‘mensalão’, inclusas aquelas que levaram para a prisão militantes históricos do Partido dos Trabalhadores, José Dirceu e José Genoíno, mobilizou o debate público.

 

Assim como já ocorrera quando da prorrogação do julgamento em causa por esta mesma Corte, há cerca de dois meses, entrou novamente em cena a lógica binária e maniqueísta na análise do cenário atual, e que tem como verdadeiro motivo a disputa eleitoral de 2014, com os arraigados interesses de ambos os lados do espectro político.

 

Não é novidade alguma a campanha sem paralelos com que a mídia corporativa se lançou por sobre a estigmatização  dos ‘mensaleiros’ petistas. Trata-se, afinal, de grupo que, ainda que tenha beneficiado o grande capital, nunca será o partido do coração da burguesia brasileira, com o qual jamais teve afinidade de classe e ideológica e que sempre esteve em sua mira para a desconstrução simbólica.

 

A intenção, por sua vez, de associar os mensaleiros a práticas intrínsecas de esquerda não cola. O que de fato teria motivado a compra de deputados, denunciada no processo do mensalão, foi a necessidade de conseguir maioria no congresso para a aprovação da reforma previdenciária, nos moldes exigidos pelo FMI e pelos bancos internacionais. Os alvos eleitos para o ataque da direita estão hoje, portanto, muito aquém de alcançar o que se pode chamar de esquerda. Afinal, 2013 foi o ano em que efervesceram manifestações e demandas sociais, as quais, ainda que de forma pouco consciente ou organizada, começaram a se posicionar contra a usurpação histórica de direitos, seja pelo poder público, privado ou pelas agremiações partidárias.

 

Face a uma tal conjuntura, qual é o sentido de se manter em uma lógica e focos de pensamento binários e passionais? Mais ainda: quando está nítida uma criminalização pesada e crescente da luta social, da qual participam todos os níveis de governo, federal, estadual e municipal, com a polícia espancando manifestantes à luz do dia e prendendo e agredindo estudantes de forma arbitrária e discricionária (conforme, entre outros, as centenas de professores, pesquisadores e populares presos e criminalizados no Rio de Janeiro), como aceitar que o debate público seja tomado quase que exclusivamente pela prisão de figuras poderosas?

 

No Fla-Flu instalado entre defensores e detratores dos atuais condenados pelo STF, tucanos comemoram as prisões do alto de suas lambanças com a privataria, os mensalões, o propinoduto no metrô paulista, a máfia do ISS. Quanto aos petistas, não estiveram até agora nem perto de convocar a sua militância para denunciar tão graves condutas de roubo ao patrimônio público, voltando-se quase exclusivamente às desventuras de alguns dos seus condenados.  E de ambas as agremiações políticas, nenhuma palavra sequer sobre a criminalização do movimento social e as agressões que têm sofrido muitos daqueles que ousam pôr o pé na rua e a boca no trombone.

 

Nesse caminho, somente uma certeza: a fúria com que vem se armando Estado e direita para intimidar e reprimir as manifestações populares que se anunciam para 2014, naturalizando a arbitrariedade da PM.

Comentários   

0 #4 RE: Um debate falso e atrasadoPedro Sanches 07-12-2013 15:18
EU APROFUNDEI OS OS TEMA MENSALÃO DO PT, E DESCOBRI QUE NÃO HOUVE COMPRA DE PARLAMENTARES, NÃO HOUVE DESVIO DE DINHEIRO DO BANCO DO BRASIL NO VALOR DE 73 MILHÕES DE REAIS, E TAMBÉM DESCOBRI QUE AS PROVAS EXISTEM E ESTÃO NOS AUTOS DA AÇÃO 470, E EM DOIS OUTROS AUTOS: 2828, 2474, E DESCOBRI COM ISTO QUE A TV JUSTIÇA TEM COMO SOCIOS O EDUARDO AZEREDO DO PSDB EX-GOVERNADOR DE MINAS QUE FOI PEGO COM A MÃO NA BOTIJA COM O MENSALÃO ASSIM DO PSDB E QUE TAMBÉM A TV JUSTIÇA E FILIAL DA GLOBO, E QUE OS JUÍZES DO STF SÃO PAUTADOS PELAS MÍDIAS GOLPISTAS, BANDIDAS, TODOS TEM TELEFONES DO JUÍZES, E DESCOBRI QUE ESTE LINCHAMENTO FEITO PELA MÍDIAS GOLPISTAS NADA MAIS É DO QUE UM GOLPE DE ESTADO EM CURSO NO BRASIL, A MUITO TEMPO ESTAS MÍDIAS E O JUDICIÁRIO VEM MENTINDO SOBRE ESTA AÇÃO CONTRA O PT JUNTO COM O PSDB, ESTES SIM SÃO UM VERDADEIRO ESCARNIO A NOSSAS INTELIGENCIAS, ELES VEM PROMOVENDO ROUBOS EM CIMA DE ROUBOS COM A CONIVENCIA DO MPF E ESTADUAIS. O EDITOR TEM QUE APROFUNDAR ESTE TEMA, POIS O PT NÃO FEZ O QUE ESTÃO PROPAGANDO 24 HS. POR DIA A 8 ANOS, UMA MENTIRA SE TORNA VERDADE SE AS PESSOAS INOCENTES NECESSÁRIAS NÃO APROFUNDAM O TEMA E COM ISTO ABRE ESPAÇO PARA O GOLPE DE ESTADO COMO ACONTECEU NO PARAGUAI.
Citar
0 #3 O verdadeiro foco do debateMartha D. Pinto 26-11-2013 17:32
Os debates travados sobre o julgamento não se reduzem a um flaxflu entre detratores e defensores dos condenados.
Existe uma discussão sobre o procedimento do STF no julgamento e nas prisões, e esta é uma questão importante.
Para não ser confundido com defensores dos mensaleiros, o Editorial ignora este debate.
O julgamento colocou em questão o problema do controle do judiciário e da mídia.
Os erros do PT não justificam os erros do STF, assim como o possível envolvimento de Amarildo com o tráfico não justificam a truculência da polícia.
Citar
0 #2 muito bemLuiz Ramirez 24-11-2013 12:34
Muito bom encontrar análises políticas realistas, ou seja, independentes da vidinha palaciana. Ali, ninguém sofre de verdade e todos se utilizam de um bom arbítrio. Fora do mundinho encantado do poder, o pau come de verdade, os direitos são negados e as manifestações combatidas por todas as colorações políticas.
E nota-se o mal pós-moderno ao nos depararmos com comentaristas que indagam o que ou quem é burguesia, isso num governo que alimentou grandes oligopólios e financiou todos os setores dominantes do país. Santa cachaça!
Citar
0 #1 Um debate falso e atrasado, de fato!Antonio 23-11-2013 12:36
Por favor, defina quem são a "burguesia brasileira" e o "Estado" que estão atuando contra os interesses desse editor e do PT. Seriam, por acaso, a Marilena Chaui, o Sarney, o Collor, o Maluf, o Lulinha, a Rosemeire? Afinal de contas, quem é a tal "burguesia brasileira" e quem é o "Estado" tão malvados?
Citar