Correio da Cidadania

Evo conta com votos do campo para ganhar no primeiro turno

Resultado de imagem para evo deja su voto
“As informações que vêm do campo nos deixam confiantes de que fomos vitoriosos. Este é um novo triunfo mais, quatro eleições consecutivas, ganhamos de uma direita que quer voltar ao passado”, enfatizou o presidente, que historicamente tem obtido um massivo respaldo na área rural. Até mesmo em Santa Cruz, reduto oposicionista, a projeção é de que o candidato do MAS vença em cinco das sete circunscrições.

Com 83,7% das urnas apuradas pelo Órgão Eleitoral Plurinacional (OEP), Evo Morales alcança 2.256.603 votos (45,28%) contra 1.901.891 (38,16%) do principal opositor, Carlos Mesa. Pela legislação eleitoral, para vencer no primeiro turno o candidato precisaria obter 50% dos votos ou 40% e uma diferença de 10%.

Acompanhado do vice-presidente Álvaro Garcia Linera, também candidato à reeleição, Evo agradeceu a militância “por ter lutado com esforço e enfrentado tantas mentiras daqueles que se opõem ao processo de mudanças”. Para o presidente, é sinal de que chegou a hora de aprofundar a “revolução democrática e cultural” e saudou “a consciência do povo boliviano” por buscar consolidar um processo de avanços.

Outubro negro

Vice-presidente de Gonzalo Sanchéz de Losada, responsável pelo “Outubro Negro”, em 2003, quando foram assassinados 67 manifestantes e feridos mais de 400, Carlos Mesa abriu a noite dizendo a que veio, lançando incertezas e, com o apoio dos grandes conglomerados privados de comunicação, apostou abertamente num clima de incerteza e confrontação.

"Realizamos um triunfo inquestionável que nos permite dizer com absoluta certeza e segurança, tanto pela informação da mídia quanto pelo nosso próprio cálculo interno: estamos no segundo turno", disse Mesa. Na hipótese de um segundo turno, conta que a embaixada dos Estados Unidos, que tem investido pesado um mar de dólares na oposição ao governo, colocaria seu cofre à disposição.

Acompanhando a apuração junto ao Órgão Eleitoral, pude comprovar como alguns poucos seguidores de Mesa buscavam atrair os holofotes da mídia e dos observadores internacionais gritando “contra a fraude” e “Evo assassino”. Como sempre, o teatro sensibilizou um ou outro elemento da mais do que suspeita Organização dos Estados Americanos (OEA).

Fazendo coro à armação, Bolsonaro usou o Itamaraty para dizer que "o Brasil acompanha com atenção o primeiro turno da eleição na Bolívia" – como se houvesse necessidade de um segundo turno - e que “preocupa muito a interrupção imprevista da apuração e a falta de resposta das autoridades eleitorais bolivianas aos pedidos de esclarecimento da OEA". A OEP informou que por ser manual o cômputo final sairá nos próximos dias.

Mídia instrumentalizada

Durante todo o tempo em que transmitiam a apuração, alguns canais de televisão aproveitavam para despejar seu ódio contra o governo e insuflar o eleitorado de direita a não reconhecer a derrota. Numa das mensagens, um telespectador enviava um twitter para Evo, reproduzido pela emissora: “respeite os resultados e vá dignamente para o segundo turno, pois caso se consolidar a fraude a sociedade civil vai desconhecer”.

Para o jornalista Israel Soltillo, da rádio 95.3 FM de Valencia, Venezuela, “o combate desigual com que a mídia privada se uniu nestas eleições contra o presidente e o povo boliviano, utilizando numerosos recursos para mentir e difamar, é uma vergonha”.

Na verdade, frisou, “é um apoio explícito a candidaturas que encarnam o retrocesso neoliberal e a consequente perda de direitos”. Na avaliação de Israel, “em seu próximo mandato, Evo necessita garantir a democratizacão da comunicacão, pois do contrário estaria colocando seu próprio povo em risco, exposto à ânsia e ao terror dos que querem obter o poder a qualquer custo”. Prova disso, sublinhou, “é que esses meios exercem o jornalismo sem nenhuma ética, agindo como simples instrumentos de poder das elites”.

Leia mais da cobertura especial das eleições bolivianas

Evo denuncia que Embaixada dos EUA tenta comprar votos para a oposição

Evo: "A vitória da Bolívia será a derrota do neoliberalismo, do FMI e dos vende-pátria"

“Eleição de Evo será marco para aprofundar nossa soberania”

ComunicaSul cobrirá eleições de outubro na Argentina, Bolívia e Uruguai; saiba como ajudar

* O Coletivo de Comunicação Colaborativa ComunicaSul está cobrindo as eleições na Bolívia, Argentina e Uruguai com o apoio das seguintes entidades: Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, Hora do Povo, Diálogos do Sul, SaibaMais, Fundação Perseu Abramo, Fundação Mauricio Grabois, CTB, CUT, Adurn-Sindicato, Contee, CNTE, Sinasefe-Natal, Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região, Sindsep, Sinpro MG e Apeoesp. A reprodução é livre, desde que citados os apoios e a fonte.

Leonardo Severo é jornalista.