Correio da Cidadania

Tem focinho de fascista, rabo de fascista, mas não é Bolsonaro


Seria Bolsonaro um fascista? Pergunta estranha, não? Afinal, Bolsonaro tem focinho de fascista, patas de fascista, rabo de fascista e fede a fascismo.

Já quanto a seu governo, as patas e o fedor do fascismo talvez estejam lá, mas não é possível dizer que o bicho já esteja totalmente formado.

E, por fim, o regime político definitivamente não é fascista. Ainda que, em suas várias versões, há séculos continue a exalar uma catinga forte de autoritarismo e elitismo racista.

Esse debate não tem nada de acadêmico ou diletante. Dependemos das conclusões que tirarmos dele para decidir sobre o que fazer.

Se não é possível dizer que vivemos sob uma dominação fascista, o focinho, patas e rabo do chefe do governo não deixam dúvidas. A ameaça de uma conversão de governo e regime ao fascismo é cada vez mais concreta.

Diante desse perigo terrível, há quem defenda uma “ampla aliança das forças democráticas nacionais”. Muito justo.

Mas quais forças políticas do país poderíamos considerar democráticas? As mesmas que participaram do golpe parlamentar de 2016? Aquelas que livraram Michel Temer do impeachment? Ou, ainda, as responsáveis por aprovar as reformas trabalhista e previdenciária que destruíram direitos e conquistas de milhões? Talvez sejam os que alegremente comem sua pipoca enquanto assistem ao espetáculo de terror e genocídio promovido por Bolsonaro?

O fato é que se escolhermos nos aliar a “democratas” desse tipo, estaremos reduzidos não só a uma oposição incapaz de deter o fascismo. Mas daremos as mãos àqueles que, ao sentirem o mais leve cheiro de povo, criam patas, focinho e rabo muito parecidos com os de Bolsonaro.

Sergio Domingues é servidor público federal e sociólogo.
Blog: Pílulas Diárias.