claqueteA sinopse do filme de Masagão não podia ser mais atual: “as coisas não saíram como havíamos combinado”. É por isso que o filme serve como marco e epílogo narrativo para o ciclo do lulismo brasileiro.

 

 

altSenti-me tocado ao ler que os responsáveis maiores pela PUC de São Paulo teriam proibido que se instaurasse no Curso de Filosofia da Universidade uma cadeira sobre Michel de Foucault.

altEduardo não escrevia para a igreja, pois seu objetivo era chegar com sua voz a todos os inconformados, aos oprimidos e explorados que encontravam em sua linguagem um valioso instrumento para compreender e explicar a realidade.

altAs narrativas oficiais sobre conflitos mundiais foram cristalizadas ao longo do tempo e tendem a ignorar participações das populações colonizadas, sem problematizar a forma como foi conduzido o processo pelos Aliados.

 

altThéo, igualmente marxista, advogado do BB, preparava sua dissertação e abraçara com vigor a proposta de Jacob Gorender sobre o escravismo colonial. Me propôs iniciarmos uma discussão mais sistemática. Trocamos ideias e concordâncias sobre o conceito “segunda escravidão”.

altAparentemente, o que teria uma coisa a ver com outra? Liquidez, liquidificador, liquidação? E se sua combinação fosse um ritmo musical, ou parte de uma poesia, ou uma brincadeira de crianças? Que bom se assim fosse...

altPor conferir tanta luz sagrada àquilo que prega e tanta obscuridade àquilo que despreza, obstrui já de antemão qualquer possibilidade de que se conteste suas afirmações obtusas (quem discorda do maniqueísta está praticamente a cometer um crime de lesa-majestade).

altPor ser inteligente, politizada e culta, querida Mafalda, você chega à chamada “meia idade” sem achar que a academia de ginástica é o lugar mais importante do mundo.

 

altOs artistas do Okupalco creem que houve uma espécie de “gentrificação” da virada, com a exclusão de estilos musicais contestadores e a presença cada vez mais ostensiva da PM, intimidando qualquer pessoa com aparência ou comportamento “fora da linha”.

altAna Montenegro, exilada política, separada e mãe de dois filhos, teve um deles (Miguel) morto durante o exílio: era uma mulher feita de aço e pétalas. Ela faleceu em 30 de março de 2006.

altComo todos sabem, políticas culturais nunca foram o forte do poder público brasileiro. Iniciativas independentes e descoladas do interesse econômico, talvez como nunca, exigem processos de luta  coletiva bastante determinados. Neste ano, a maior cidade do país convive com mais uma dessas tentativas, na ocupação da chamada Casa Amarela, casarão de arquitetura clássica, animado por diversos coletivos e artistas que têm dado vida diária ao espaço.  Leia a entrevista com a atriz de teatro Luiza Maia.

altMatrix só se entende enquanto forma de “anulação espetacular do conflito” (filme da guerra permanente que termina na utopia da paz podre). Acontece que a anulação espetacular do conflito foi agora anulada espetacularmente pelos conflitos reais. Matrix avariou.