altEnergia eólica, como qualquer outra fonte energética, provoca danos socioambientais. E o preço cobrado por MWh (megawatt/hora) produzido por esta fonte energética não leva em conta os custos socioambientais provocados.

 

altProjetos de REDD (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal) estão sendo impostos em comunidades amazônicas em ritmo acelerado e geralmente com justificativas frágeis e pseudocientíficas.

 

Ialtsso somente será possível quando houver a conciliação definitiva da economia com os princípios da ecologia, colocando as pessoas – e não o mercado – para pensar a organização socioeconômica em termos de seus fundamentos biofísicos.

 

altOnde está nosso problema? Exatamente na abundância, nos ensinava o já falecido professor Aldo Rebouças. Ela nos tornou perdulários e, junto com a cultura predadora construída desde a fundação do Brasil, passamos a maltratar nossas águas.

altUsina de Ouro Negro, de 600 MW, ganhará licença prévia nos próximos dias; ela aumentará em 7% as emissões de CO2 por eletricidade no país e agravará escassez de água em zona crítica.

altPara debater os impactos sob um ponto de vista técnico, falamos com os biólogos Dante Pavan e Viviane Schuch. “Vemos que as leis e os mecanismos da sociedade de proteção ao meio ambiente não estão funcionando”.

 

altParabéns à COOPERCUC, trabalho que mostra a beleza e a viabilidade do sequeiro nordestino, com a caatinga em pé, ambiente preservado e cheio de vida. O único caminho para os biomas brasileiros sobreviverem é o da “convivência”.

altQue o projeto de José Serra é um desastre e favorece escandalosamente as corporações petroquímicas não há dúvidas. Mas é importante ter em mente que não é um desastre maior do que a exploração em si! Não existe diferença nas propriedades físicas de um CO2 "público" ou "privado", tampouco de um "CO2 de esquerda" ou “direita".

 

altOs investimentos em fontes renováveis estão orientados pela lógica capitalista e são tratados como um negócio como outro qualquer, muito rentável, onde o lucro e a justiça são incompatíveis.

altO projeto aprovado pelos deputados paulistas não apresenta sequer diretrizes mínimas que orientem tais editais. Integrantes do conselho estadual do meio ambiente inclusive foram pegos de surpresa.

altPor qualquer ângulo, a crise ambiental pode ser vista como a expressão máxima de que a Terra é um organismo vivo que se baseia em equilíbrios extremamente sutis que, face à presença humana, foram acintosamente violentados tendo em vista fins produtivistas.

altOutra indispensável correção de rumos responde, sobremaneira, pela necessidade de superar algumas dicotomias, especialmente quanto à conciliação da geração de empregos – situação macroeconômica que impulsiona a economia ao crescimento – com a preservação do meio ambiente.