altNo Brasil “dos comuns”, continua o cerco aos direitos civis mais primordiais: aprova-se PL que tipifica o terrorismo e SP registra mais uma noite de sangue, com 20 assassinatos e fortes suspeitas sobre agentes do Estado. Em meio ao contexto, o Correio entrevistou a psicóloga Adriana Matsumoto.

altTalvez o único preso sem vínculo político com os protestos, Rafael recebeu a maior condenação, 5 anos de reclusão. Agora que seu caso chegou ao STF, entrevistamos João Henrique Tristão, advogado da ONG Defensores dos Direitos Humanos, que o defende.

 

altA população do Extremo Sul conseguiu um avanço histórico, ao ver efetivadas algumas novas linhas para a região de Parelheiros, tema da entrevista do Correio da Cidadania com Luize Tavares, do coletivo de Luta pelo Transporte no Extremo Sul.

altManoel Bahia, 27 anos, coordenador da Ocupação Vitória, dia 31 de março de 2015, em plena semana santa, por volta das 15 horas – mesmo horário em que Jesus Cristo foi crucificado -, foi covardemente assassinado por grileiros de lotes vagos.

 

O movimento resolveu inovar, com a criação de uma intervenção chamada Posto de Saúde Popular, do Jardim Helian. Ligado aos movimentos sociais, o Posto diminui a capacidade do Estado em dois sentidos diferentes aos das classes privilegiadas.

alt

 

alt“Tivemos milhares de famílias removidas, muita gente impedida de trabalhar, aumento da exploração sexual e também criminalização dos movimentos”. Assim começa a entrevista de Larissa Viana, do Comitê Popular da Copa – SP.

altEm Goiânia, pelo terceiro ano consecutivo os professores entraram em greve, além de se voltarem contra o próprio sindicato e recriarem suas formas de luta. O Correio da Cidadania entrevistou Antônio Gonçalves Rocha para falar da paralisação que durou mais de um mês.

altUm ano depois de protagonizarem uma vitoriosa greve, os garis do Rio de Janeiro voltaram a cruzar os braços. O Correio conversou com Celio Viana, representante da categoria que acabou de ser demitido e foi até a Câmara dos Deputados expor a situação.

Região onde se localiza o cemitério com a segunda maior quantidade de jovens enterrados, o Jardim São Luis sente da pior forma as dificuldades de um 2015 desalentador. Sobre tal conjuntura, o Correio entrevistou Anabela Gonçalves, do Coletivo Katu, que trabalha com a formação socioeducativa de jovens da região.

alt

 

altCrítica coletiva e pública à realização do Seminário Internacional “Cidades Rebeldes”, organizado pela Boitempo Editorial e o SESC São Paulo.

altJá virou quase um consenso social que as empreiteiras são parte dos governos de facto e, na prática, tomam decisões políticas. Por conta disso, o Correio entrevistou Ernesto Carvalho, do movimento Ocupe Estelita, um cais na cidade do Recife alvo de um gigantesco empreendimento.

altO massacre perpetrado por um assustador contingente de PMs contra 20 mil manifestantes produziu mais de 200 feridos e cenas de selvageria que correram o mundo. Como chegamos a esta situação? O que estava em jogo? Por que o governo decidiu impor uma repressão tão violenta?