altImagino que quase todos os leitores, diante da trágica descrição, pensarão no rompimento da barragem da Samarco em Mariana, que devastou o rio Doce. Mas ela também vale para o Xingu em 2015. Nunca vi tanta destruição por aqui.

altAs previsões de curto prazo ficaram por demais óbvias na área ambiental, por serem repetitivas. Assim, irei restringir-me a dois temas, um local e outro global: a crise da água em São Paulo e os acordos climáticos.

 

altMuitos já devem estar se perguntando por que pretendo votar em Marina. Porque, se por um lado ela já mostrou que cede às pressões, de outro, Dilma é a própria pressão, por Belo Monte, todas as hidrelétricas da Amazônia...

altVergonha de ver nossa seleção sofrer a maior lavada de sua história, bem quando a Copa acontece no Brasil, depois de 64 anos. Mas mais vergonha pela hipocrisia das declarações de políticos, com seus pêsames pela morte dos operários de obras ligadas à Copa e seus holofotes irresistíveis.

altAgora, os impactos diretos da construção da hidrelétrica de Belo Monte são finalmente visíveis no entorno da cidade de Altamira. De toda forma, a devastação da foz do igarapé Ambé não é nada comparado ao desmatamento da ilha do Arapujá, cuja vegetação constituí importante “cartão postal” no rio Xingu, e que deve começar a qualquer momento.

altO ano já vai se encerrando e, às margens do Xingu, em 15 de dezembro, a terra está esturricada, aguardando as primeiras chuvas que já deveriam estar caindo. Ao invés disso, o que vemos é a natureza sendo devastada em ritmo acelerado e  milhares de operários em condições degradantes.

 

altQuando tragédias assim ocorrem dessa forma, com um homem público jovem e cheio de vida, no auge da sua história pessoal, fica difícil escapar da reflexão sobre o sentido da vida, do que estamos fazendo aqui.

altAprovação do Marco Civil da Internet foi uma vitória da democracia, mas brechas abertas no texto por pressão de poderosas empresas podem comprometer objetivos iniciais.

altComo formigas centradas apenas no nosso limitado universo roseira-formigueiro, não conseguimos perceber nada à nossa volta que não esteja inserido no nosso limitado espectro de percepção.

 

altDesmatamento na Amazônia tem relação direta com falta d'água em São Paulo, mas quase ninguém toca neste assunto. Com essa eficiente máquina de destruição, o que mais esperar senão problemas de falta de chuvas cada vez mais graves, uma vez que as chuvas dependem da floresta preservada?

altUm estrangeiro chega de fora do país e se depara com as repercussões desproporcionais e individualizadas desses acontecimentos deve ter a impressão de que o assassinato e a prisão injusta de jovens negros e pobres não acontecem diariamente por aqui.

altAo que tudo indica, conseguiram fazer com que esse sempre mau negócio para a vida no planeta em geral, que é extrair e queimar petróleo, se transformasse também em um mau negócio para o caixa do país.