É como se o filme prestasse homenagem ao mais comum dos cordéis do senso-comum, revelando aí seu calcanhar de Aquiles.

altNão admira que a plateia brasileira projete sobre a tela de Aquarius suas frustrações e indignações políticas. O diretor Kleber Mendonça Filho é bom pregador de peças.

 

O filme que faz 50 anos não é só o maior de ficção científica já feito. Não é só um dos maiores filmes da história.

Pense-se em autores que atacaram pretensões universalistas e denunciaram a ânsia de homogeneizar diferenças reais numa narrativa civilizatória higienizada e livre de contradições.

Não foi pacifista, mas um socialista. Por isso devemos reavivar sua memória e legado.

altNossas sociedades contemporâneas inventaram formas de dominação consentida e lúdica que disfarçam o fato de que, na verdade, todo nosso tempo e todos os lugares em que estamos não nos pertencem. A febre do Pokémon Go é o mais recente exemplo.

 

O filme Dúvida (EUA, 2008) nos leva a uma grande reflexão sobre as limitações de nossas certezas.

Serve muito bem ao status quo e talvez seja mesmo apenas isso que almeje. Uma obra-prima de conformismo Hollywoodiano.

altO filme conquista a plateia silenciando totalmente as vozes que de fato deram ao feminismo de todo o século 20 muito de sua força.