A Igreja denuncia injustiças, como o neocolonialismo das indústrias extrativistas e imposição de modelos estranhos à vida dos povos.

Protegem-nos a parafernália eletrônica e o diálogo virtual. Somos o que não aparentamos e aparentamos o que não somos.

Friedrick Hacker (1914-1989) analisou com propriedade as raízes da violência nesse mundo globocolonizado que se ajoelha ao deus Mercado.

O neoliberalismo, em doses cavalares de hedonismo e consumismo, consegue agora narcotizar boa parcela da juventude.

Se a Terra fosse redonda e girasse em torno do próprio eixo, no mínimo deveríamos sentir tonturas.

Tudo indica que teremos pela frente um Estado disposto a negar o princípio constitucional da laicidade.

Serão adotados o parlamentarismo e novas formas de economia mista e se reconhecerá a união homoafetiva.