Esquerda institucional festeja insurreições em países vizinhos. Mas se o mesmo ocorre aqui o comportamento é conservador.

Projeto de mudança real tem sido substituído por promessas e paliativos que encantam os pobres e mantêm os privilégios dos ricos.

Objeção de consciência e desobediência civil são armas a serem usadas pela cidadania disposta a enfrentar a barbárie.

Enquanto o presidente luta pelo controle do fundo partidário do PSL, oposição corrobora o descalabro social e econômico.

O Correio entrevistou a socióloga Maria Orlanda Pinassi, que compreende o contexto como de crise estrutural da política liberal.