Apesar da grave denúncia sobre aparelhamento da PF, Moro ainda deve explicações sobre intervenções no COAF, investigações das movimentações financeiras de Flávio e Queiroz, entre outros escândalos.

Aposta no “contra tudo e contra todos” tem tudo para dar errado e desejo pelo fim de seu governo começa a se popularizar.

O bolsonarismo é antes um aventureirismo miliciano/familiar, sem laços orgânicos com a hierarquia das Forças Armadas.

Bolsonaro briga para manter templos abertos por demanda da bancada evangélica e líderes de megaigrejas.

Apesar das movimentações nos últimos dias, todas visando seu eleitorado, a avaliação do governo diante da pandemia continua piorando.

É isso que pode ser resumido da postura do governo federal frente ao Coronavírus, segundo Ligia Bahia, médica e autora de Saúde, desenvolvimento e inovação.

Em termos imediatos impressiona a incapacidade do sistema em que vivemos de desacelerar a fim de salvar vidas.

A troca de ministro da Saúde no exato momento em que cresce a curva do Coronavírus precisa ser interpretada da maneira mais drástica: Bolsonaro trabalha pela morte de um grande número de pessoas. 

O Brasil patina tanto em medidas sanitárias quanto econômicas. Sobre este gravíssimo quadro, Plinio Arruda Sampaio Jr., economista, concedeu entrevista ao Correio.

Retirada de artigo que explicitava suspensão do salário não impede que medida seja tomada por patrões.