2020, ano eleitoral, não traz consigo expectativa de alterações significativas, a não ser no instável Oriente Médio.

Em meio à crise política interna ascendente, a gestão de Dilma tentava contorná-la, ao aproximar-se dos democratas do Norte.

Havia condições para a expansão do ensino superior pátrio, mas faltava – como até agora – definir o modo e o propósito.