2021 começa com desafios históricos de longo alcance, mas de atualidade premente; parece destinado ao mesmo papel de 1980.

É indispensável que o Brasil reconstrua seus principais meios de geração de riquezas, que têm a indústria como ponta de lança.

O combate precisa ser transformado não só numa luta contra a destruição de vidas pela pandemia, mas também pelo desenvolvimento.

A questão é se as esquerdas no Brasil serão capazes de superar suas debilidades e construir um novo caminho para o país.

Sentimento antipetista só pode ser superado quando o partido tomar atitudes no sentido de se reabilitar diante das massas.

Contradições de diferentes partes da burguesia brasileira devem ser usadas, mas não podem substituir reorganização das camadas populares.

Refluxo da direita fascista não pode fazer a esquerda acreditar que tudo caminha para voltar a ser como antes – como se fosse suficiente.

A ausência de um pensamento comum produz pensamentos e ações que mistificam os reais inimigos e confundem os aliados.

Disputa no judiciário parece mais relacionada à estratégia do Lavajatismo e suas consequências na burguesia brasileira.

As condições a que o Brasil foi levado não serão facilmente superadas pela repetição dos primeiros quinze anos do século 21.